AEPET DIZ QUE PAGAMENTO DE DIVIDENDOS DA PETROBRÁS É INSUSTENTÁVEL E PREJUDICA INVESTIMENTOS FUTUROS DA COMPANHIA | Petronotícias





AEPET DIZ QUE PAGAMENTO DE DIVIDENDOS DA PETROBRÁS É INSUSTENTÁVEL E PREJUDICA INVESTIMENTOS FUTUROS DA COMPANHIA

coutinhoO pagamento de dividendos da Petrobrás volta a ganhar destaque e deve movimentar o noticiário nesta nova semana. Isso porque a companhia confirmou, já no final da semana passada, que irá propor o repasse apenas dos dividendos ordinários aos seus acionistas na próxima Assembleia Geral Ordinária (AGO), agendada para 25 de abril. A decisão sobre os dividendos extraordinários ficará para outro momento. Esse é um tema que pode mexer com o humor do mercado nos próximos dias, deixando investidores torcendo o nariz. Mas não é apenas o mercado financeiro que anda aborrecido com a questão. Em uma outra ponta da arena de ideias do setor de óleo e gás, a Associação de Engenheiros da Petrobrás (AEPET) acha que, na verdade, a petroleira está pagando níveis “insustentáveis” de dividendos. Para o presidente da associação, Felipe Coutinho, essa política pode prejudicar o futuro da empresa. Ele afirma que, em 2023, a Petrobrás teve uma receita menor do que a de outras cinco grandes petroleiras, mas ainda assim fez o maior volume de pagamentos de dividendos do grupo. “A relação entre os dividendos pagos e os investimentos líquidos demonstram, de forma cabal, como as políticas da alta direção da Petrobrás são discrepantes em relação a gestão das grandes petrolíferas mundiais“, afirmou Coutinho. O presidente da AEPET ainda alerta que essa política coloca em xeque os investimentos futuros da companhia e revela que o volume de recursos aplicados em 2023 pela Petrobrás foi 60% menor em relação à média histórica. Por fim, Coutinho critica a “financeirização” de petroleiras. “Os especuladores do sistema financeiro são parasitários e seus interesses são incompatíveis com a gestão e operação industrial, muito menos com os objetivos típicos de uma companhia industrial e estatal“, declarou.

Para começar, gostaria que compartilhasse conosco a avaliação da AEPET sobre o caso do não pagamento de dividendos extraordinários da Petrobrás, tendo em vista que esses recursos retidos não devem ser usados para investimentos, por exemplo. Na prática, ao seu ver, a medida não representa uma mudança de postura da direção da companhia?

sede-petrobrasAs políticas de baixo investimento e elevada distribuição de dividendos não mudaram, houve apenas a decisão de não distribuir os dividendos extraordinários e constituir um fundo cujos recursos podem ser distribuídos no futuro.

A redução dos investimentos foi o principal fator que possibilitou pagamentos de dividendos altos e insustentáveis pelas direções da Petrobrás em 2021 e 2022.

A mesma política continua acontecendo na Petrobrás até o fim de 2023, investimentos muito baixos possibilitaram pagamento alto e insustentável de dividendos.

A Petrobrás passou por uma troca de gestão no início de 2023, afirmando que faria uma mudança de rumo na companhia. Contudo, levantamento da própria AEPET aponta que os investimentos continuam baixos. Quais seriam as consequências para a empresa caso esse cenário persistir?

tabela

Comparação entre pagamentos de dividendos realizados por petroleiras – clique para ampliar

A razão média entre os dividendos pagos e o investimento líquido no resultado consolidado de 2023 foi de 232,63%, enquanto entre 2005 e 2020 foi de 12,7%, em termos médios. Ou seja, a relação entre o pagamento de dividendos e o investimento líquido em 2023 foi 18 vezes mais alta se comparada com a média de 2005 a 2020.

Na comparação com os resultados da ExxonMobil, Shell, Total, BP e Chevron, em 2023 a Petrobrás, apesar de ter a menor receita entre as seis empresas, pagou o maior montante em dividendos. Além disso, foi a petrolífera que realizou o menor investimento líquido, sendo de apenas 51% em relação à média das demais.

A relação entre os dividendos pagos e os investimentos líquidos demonstram, de forma cabal, como as políticas da alta direção da Petrobrás são discrepantes em relação a gestão das grandes petrolíferas mundiais. A relação da Petrobrás foi 4,2 vezes superior à média praticada pelas outras petrolíferas.

Os lucros e dividendos distribuídos hoje, são resultados dos investimentos realizados no passado. É evidente que elevar a distribuição dos dividendos, em detrimento dos investimentos, comprometerá o resultado futuro.

A AEPET alega que o pagamento de dividendos continua alto na atual gestão da Petrobrás. Ao seu ver, é possível reduzir os dividendos, ainda que para níveis atraentes para os agentes do mercado financeiro, e ao mesmo tempo aumentar os níveis de investimentos? Ou seja: é possível agradar “gregos e troianos”?

ibovespab3Os especuladores do mercado financeiro querem o máximo pagamento de dividendos no curtíssimo prazo. Não tem compromisso com o futuro da Petrobrás, muito menos com o desenvolvimento nacional. Os especuladores do  sistema financeiro são parasitários e seus interesses são incompatíveis com a gestão e operação industrial, muito menos com os objetivos típicos de uma companhia industrial e estatal.

Como as outras petroleiras internacionais estão lidando com esse “embate” entre investimentos e dividendos?

As contradições decorrentes da financeirização das maiores petrolíferas com ações negociadas em bolsa acontecem há décadas. Por isso perderam espaço para as estatais entre as maiores petrolíferas do mundo.

Apesar disso, desde 2021, as direções da Petrobrás foram ainda mais longe na redução dos investimentos para distribuição insustentável de elevadíssimos dividendos.

Por fim, a Petrobrás terá uma série de novos investimentos no futuro, tais como obras em refinarias, novas energias e exploração de novas fronteiras de petróleo. O alto pagamento de dividendos pode atrapalhar os níveis de investimentos nesses projetos? Pode também forçar a companhia a buscar o endividamento?

fpsoO investimento realizado em 2023 e o planejado para os próximos anos são relativamente baixos se comparados com o histórico da Petrobrás.

O investimento líquido realizado em 2023 foi de US$ 8,7 bilhões, é cerca de 60% menor se comparado à média histórica dos investimentos da Petrobrás, entre 1965 e 2020, de cerca de US$ 22 bilhões por ano, e 84% menor se comparado com o investimento médio anual, entre 2009 e 2014, de US$ 53 bilhões em valores atualizados.

7
Deixe seu comentário

avatar
6 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
Renato Pires de OliveiraJoaoAlansamirBod Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Gilson
Visitante
Gilson

Tem que privatizar a Petrobras pr acabar com politicagem na direção da empresa.

Jose simão
Visitante
Jose simão

Não pode um engenheiro falar tanta bobagem.
Só um exemplo; 2005 que ele tem como referência causou o maiit prejuizo de uma petroleira no mundo.
A ação foi para 5 reais.
Ele vangloria a maior derrocada da empresa em detrimento de seu cargo sindical.
É um idiota

Bod
Visitante
Bod

Os investimentos que a empresa necessita fazer já são abatidos antes do pagamento dos dividendos [fco – investimentos(capex)] e alem de ser abatido. somente 45% desse valor é distribuído aos acionistas. Vejo um desrespeito com a população e os acionistas minoritários. Vcs acham que ninguém sabe contabilidade e as leis. O Governo não quer dividendos porque esse dinheiro é balizado pela lei. O Governo quer inventar investimentos espúrios para desviar grana para o mecanismo da reeleição e enriquecimento dos correligionarios. A parcela da população que confiou suas economias para se aposentar investindo na empresa está mais uma vez sendo atacada… Read more »

Alan
Visitante
Alan

Nossa, é tão bom ler comentários correntes. Uma pena que 99,99% dos brasileiros sejam analfabetos funcionais e só acreditem no que os ídolos deles dizem.

samir
Visitante
samir

O menino apresenta números de maneira a que acreditemos que o que a Petrobrás distribuindo o dividendo está fazendo errado , e sita os investimentos de 2005 a 2020, que quase quebraram a Petrobrás, compara a receita das outras companhias dizendo que são maiores que a Petrobrás , mas não analisa fluxo de caixa, um ignorante ,não vê que nosso custo é muito menor do que as outras, o que ele quer é a antiga folia de só meia dúzia de políticos ligados ao governo receberem os dividendos. só lembrar a lava jato, segundo e terceiro escalão da perto devolvendo… Read more »

Joao
Visitante
Joao

O Brasil é o país onde os idiotas posam de sabichões. Diz pra anta aí que o valor da ação da Petro ainda nem voltou ao tempo em que a Dilma veio com essa tese, e quase quebrou a Petro. Se querem tornar os dividendos compatíveis com outras petroleiras, é só deixar a ação subir. Mas na terra dos vira latas qualquer coisa que dá certo a matilha não para de latir até destruir.

Renato Pires de Oliveira
Visitante
Renato Pires de Oliveira

Não vi vc criticar a direção da empresa pelo não pagamento da dívida que tem com os aposentados os quais dedicaram mais tempo na empresa que vc tem de vida. Quanto aos dividendos eu sou acionista da empresa a décadas e dividendos tem sim de será pagos aos acionistas que podem ser inclusive sindicalistas. Eu ao ines de ficar bebendo cachaça ou cerveja nos bares comprava ações da empresa para no futuro melhorar a minha renda.