Megabanner

AGÊNCIA INTERNACIONAL DIZ QUE DEMANDA GLOBAL POR ENERGIA CAIRÁ 6% ESTE ANO EM FUNÇÃO DA COVID-19

Faith Birol

Faith Birol

Os reflexos da Covid: a demanda geral de energia cairá 6% em 2020, enquanto a demanda por eletricidade deverá diminuir em 5%, de acordo com um relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) que avalia o impacto da pandemia no sistema global de energia. As emissões globais de dióxido de carbono deverão diminuir em quase 8% em comparação com 2019. Em seu novo relatório Global Energy Review 2020 , divulgado hoje (30), a Agência Internacional de Energia descreve como turbulências econômicas, restrições de viagens e bloqueios,  afetaram o setor de energia durante o primeiro trimestre deste ano. Supondo que os bloqueios implementados em todo o mundo em resposta à pandemia sejam progressivamente diminuídos na maioria dos países nos próximos meses, acompanhados por uma recuperação econômica gradual ao longo do resto de 2020, o relatório oferece estimativas de que uso de energia por cada tipo de combustível e emissões podem parece para o ano inteiro.

A agência  aponta que “a pandemia do COVID-19 representa o maior choque para o sistema global de energia em mais de sete décadas, com a queda na demanda este ano para diminuir o impacto da crise financeira de 2008.” A demanda global de energia foi 3,8% menor no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019, segundo o relatório. No primeiro trimestre de 2020, a demanda global de carvão foi a mais aqaaaqaatingida, reduzida em quase 8% em relação ao primeiro trimestre de 2019. A demanda global de petróleo caiu quase 5%, enquanto a demanda por gás natural diminuiu cerca de 2% no primeiro trimestre de 2020. A produção das usinas nucleares do mundo também diminuiu no primeiro trimestre de 2020 ao se ajustarem aos níveis mais baixos de demanda de eletricidade, principalmente na Europa e nos Estados Unidos.

O diretor executivo da AIE, Fatih Birol, disse que “Este é um choque histórico para todo o mundo da energia. Em meio às crises econômicas e de saúde incomparáveis de hoje, a queda na demanda por quase todos os principais combustíveis é impressionante, especialmente para carvão, petróleo e gás. Ainda é muito cedo para determinar os impactos a longo prazo, mas o setor de energia que emerge dessa crise será significativamente diferente daquele que veio antes”.

A AIE constatou que a cada mês de um bloqueio global nos níveis vistos no início de abril reduz a demanda global anual de energia em cerca de 1,5%. Supondo que os bloqueios durem muitos meses e as recuperações sejam lentas em grande parte do mundo, a demanda anual de energia deverá cair 6% em 2020, em comparação com 2019. “Se os esforços para conter a propagação do vírus e reiniciar as economias forem mais bem-sucedidos, o declínio na aaqdemanda de energia pode ser limitado a menos de 4% “, afirma a AIE. A demanda global de eletricidade no primeiro trimestre de 2020 caiu 2,5%, enquanto a demanda ao longo do ano deve cair 5%. “Uma recuperação mais rápida reduziria a demanda de eletricidade em 2% em 2020, à medida que todas as áreas de atividade econômica forem retomadas“, sugere a AIE.

“A energia nuclear não foi imune aos impactos da crise do COVID-19, embora na maioria dos casos os reatores continuem produzindo eletricidade”, observa o relatório. A geração global de energia nuclear caiu cerca de 3% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o primeiro trimestre de 2019, devido à menor demanda de eletricidade e à retirada de alguns reatores. “Em nossa estimativa para 2020, a energia nuclear cai 2,5% a partir de 2019 devido à menor demanda e atrasos na manutenção e construção planejadas de vários projetos. Se a recuperação da crise for mais rápida, a demanda de eletricidade será maior e alguns novos reatores serão concluída em 2020, levando a uma redução na energia nuclear em 2020 de pouco mais de 1% “.

Durante o primeiro trimestre de 2020, a energia nuclear foi  uma importante fonte de flexibilidade do sistema de energia na Europa, ajudando a manter a segurança da eletricidade, operando em modo de acompanhamento de carga em vários países, incluindo França, Alemanha, Bélgica, República Eslovaca e Suécia. Na América, a produção nuclear caiu 4 TWh, ou 2%, no primeiro trimestre de 2020, em parte devido à menor demanda de eletricidade ligada ao clima ameno. A China foi uma das poucas regiões com crescimento de energia nuclear, com um aumento de 1% na produção entre o primeiro trimestre de 2019 e o primeiro trimestre de 2020. Isso foi atribuído ao início de operação de dois novos grandes reatores. A AIE diz que a construção de vários novos reatores em Agneta Risingtodo o mundo provavelmente será adiada por alguns meses como resultado da pandemia.

A diretora-geral da Associação Mundial Nuclear, Agneta Rising (foto à direita), afirmou que  “O relatório da AIE conclui que será necessário um esforço de políticas coordenadas para aproveitar suas oportunidades e levar a um setor de energia mais moderno, limpo e resiliente para todos. e ajudará a proporcionar uma transição de energia limpa mais rápida e melhor que fornecerá empregos de alto valor agora e para um futuro sustentável “.

As emissões globais de CO2 foram mais de 5% menores no primeiro trimestre de 2020 do que no primeiro trimestre de 2019, principalmente em um declínio de 8% nas emissões de carvão, 4,5% de petróleo e 2,3% de gás natural. Espera-se que as emissões diminuam ainda mais rapidamente nos nove meses restantes do ano, atingindo 30,6 gigatoneladas para 2020 no geral, quase 8% menor que em 2019. Esse seria o nível mais baixo desde 2010.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of