ANÁLISE REVELA QUE CONTRATAÇÕES DE UNIDADES FLUTUANTES DE PRODUÇÃO DEVEM REAQUECER AINDA NESTE ANO

1671202560435Após um turbilhão de atividade no primeiro semestre de 2023, com seis contratos de navios-plataformas (FPSO) garantidos, o ritmo diminuiu consideravelmente, com quase nenhuma premiação importante. No entanto, as coisas estão prestes a melhorar mais uma vez, já que o mercado de construção dessas embarcações permanece como um ponto positivo no mercado offshore. É o que afirma a Energy Maritime Associates (EMA), fornecedora de dados, análises e serviços de consultoria, acompanhando as tendências de produção de energia flutuante em todo o mundo. Como resultado dos fundamentos de mercado atuais, a EMA espera encomendas significativas para unidades de produção flutuantes mais adiante no ano, incluindo múltiplos FPSOs para a Petrobrás no Brasil, novas regiões de fronteira na América do Sul e áreas maduras na África Ocidental, como Angola e Costa do Marfim.

A EMA destaca que a pausa nas grandes encomendas de produção flutuante continuou no 1º trimestre de 2024, enquanto as empresas se ajustavam às novas realidades de preços e a cadeia de suprimentos trabalhava no backlog de pedidos feitos em 2021-2022. Embora a Petrobrás tenha licitações em andamento para seis FPSOs, a gigante brasileira de energia estatal não fez nenhum pedido no ano passado, o que representa a primeira vez que isso acontece desde 2016.

Além disso, a única grande encomenda em 2024 foi para Cedar LNG no Canadá, sendo considerada a primeira instalação flutuante de gás natural liquefeito (GNL) na América do Norte. Essa encomenda envolveu US$ 1,5 bilhão para a Samsung e US$ 800 milhões para a Black & Veach. Uma vez que março de 2024 chegou, a Karmol fez um pedido à Seatrium para três conversões de navios regaseificadores (FSRU), com uma opção para uma quarta unidade.

fpso_almirante_barroso_buzios_1Com base no novo relatório da Energy Maritime Associates, houve uma desaceleração semelhante na contratação de perfuração offshore no final de 2023. A atividade foi retomada com prêmios recentes para sondas de perfuração em águas profundas agora ultrapassando as taxas diárias de US$ 500.000.

Além disso, o relatório da Energy Maritime Associates destaca que existem 184 projetos de produção flutuante no pipeline de planejamento; 51 flutuadores de produção e 6 flutuadores de armazenamento atualmente encomendados; 24 unidades disponíveis, incluindo 14 FPSOs, 4 semi-submersíveis, 2 FSOs, 2 FSRUs, 1 barcaça e 1 SPAR; 339 flutuadores de produção e 114 flutuadores de armazenamento atualmente em serviço/disponíveis; e 410 flutuadores de produção, 190 flutuadores de armazenamento e 24 MOPUs entregues ou redesdobrados desde 1996.

Embora tenha havido uma desaceleração nas encomendas nos últimos 12 meses, os fundamentos do setor de produção flutuante permanecem fortes. Há uma longa fila de desenvolvimentos avançando em direção à sanção. A escalada de custos e a capacidade limitada de contratação contribuíram para atrasos na tomada de decisões finais de investimento”, disse o Diretor Administrativo da EMA, David Boggs. “Houve uma pausa semelhante no mercado de perfuração em águas profundas no segundo semestre de 2023, que parece ter acabado com as taxas atingindo novos patamares. Esperamos várias adjudicações de grandes unidades de produção flutuante, incluindo FPSOs massivos para a Petrobras, nos próximos meses”, completou.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of