AO ABANDONAR A GERAÇÃO NUCLEAR DE ENERGIA, ALEMANHA É CONSIDERADA NA COP 23 COMO O PIOR INFRATOR DO CLIMA NA EUROPA

efeffeA política alemã de transição de energia, chamada Energiewende,  piorou as coisas para o clima, depois de  encerrar  a capacidade geração  nuclear de energia  livre de carbono,  apesar das centenas de bilhões em investimentos e esquemas de subsídio. Esta é a conclusão do Relatório Europeu de Liderança sobre o Clima 2017, que mede as métricas que foram abordadas  em Bonn, na Alemanha, na Conferência das Partes (COP) 23 pela ONG Energia para a Humanidade. A Energiewende foi introduzida depois que o governo da Alemanha decidiu eliminar a energia nuclear,  em reação ao acidente na usina  japonesa de Fukushima, em março de 2011. Na época, a Alemanha obtinha cerca de um quarto de sua eletricidade de 17 reatores nucleares .

 O relatório Energia para a Humanidade foi publicado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas  que se realiza na cidade alemã até a próxima sexta-feira(17).  Uma organização sem fins lucrativos, financiada por doações filantrópicas e defendendo a ação climática e o acesso à energia, a Energy for Humanity,  disse que a anfitriã da COP23, é o “pior infrator” da Europa na política de mudanças climáticas. O seu novo relatório classifica os países europeus em suas lideranças climáticas usando dados oficiais do Eurostat e dados exclusivos da ElectricityMap.org. A Alemanha é “de longe o maior emissor” – representando 18,3% das emissões totais de gases de efeito estufa da União Europeia, da Associação Europeia de Livre Comércio e da Turquia.

 deddddA Alemanha não está descarbonizando tão rápido como outros grandes emissores.  É o 14º dos 23 países analisados. Ao exportar eletricidade gerada por combustíveis

Usina Nuclear abandonada na Alemanha

Usina Nuclear abandonada na Alemanha

fósseis, a Alemanha aumenta significativamente a intensidade de CO2 do consumo de eletricidade dos países vizinhos, diz o relatório:  “Os líderes climáticos são países com recursos de energia hidrelétrica e políticas fortes para apoiar a energia nuclear, ao lado de fontes renováveis. Esses países incluem a Suíça (hidrelétrica e nuclear), a Noruega (hidro) e a Suécia (hidrelétrica e nuclear). Em contrapartida, a Áustria,  antinuclear,  apoia a sua capacidade hidrelétrica com combustíveis fósseis, diminuindo o seu desempenho climático global “,

“Os países que têm políticas climáticas e energéticas pragmáticas e ambiciosas, como o Reino Unido,  estão reduzindo suas emissões. O Reino Unido alcançou a maior redução absoluta nas emissões de GEE na Europa de 2010 a 2015. Alguns países da Europa Oriental, como a Polônia, Eslováquia e República Tcheca, também diminuíram significativamente os seus altos níveis de emissões nos últimos anos, enquanto crescem suas economias ”

Pela primeira vez, os dados são responsáveis pelos fluxos através das fronteiras de emissões de carbono. A importação de eletricidade suja afeta a intensidade de carbono

 do consumo de eletricidade em alguns países. O relatório recomenda fortemente que os formuladores de políticas tomem em consideração as importações e as exportações, diz. E uma alta porcentagem de nova capacidade renovável instalada não garante  baixas emissões de CO2, acrescenta.

Kirsty Gogan, Diretora Executivo da Energy for Humanity, disse que  “A Alemanha não merece sua reputação como líder do clima. A França, no entanto, com a decisão oportuna desta semana de não forçar a paragem acelerada em sua frota nuclear, é obrigada a permanecer no topo como uma das nações mais descarbonizadas, enquanto a Alemanha está mais atrasada. O Reino Unido demonstrou que o progresso climático real é possível com uma política que apoia todas as fontes de baixo carbono, incluindo fontes renováveis e nucleares”.

Deixe seu comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz