Megabanner

PETROBRÁS SELA ACORDO PARA ENCERRAR AÇÃO COLETIVA DE INVESTIDORES ESTRANGEIROS

petrobras euaA Petrobrás deu um novo passo para tentar encerrar a ação coletiva movida por investidores estrangeiros na Justiça dos Estados Unidos. A companhia anunciou nesta quarta-feira (3) um acordo para findar com a batalha judicial e pagará US$ 2,95 bilhões para isso. A proposta ainda precisa ser aprovada pelo juízo norte-americano. Caso consiga o aval, será um enorme alívio para a estatal, que teme os riscos do prosseguimento da ação.

“Este acordo elimina o risco de um julgamento desfavorável que […] poderia causar efeitos materiais adversos à Companhia e a sua situação financeira. Além disso, põe fim a incertezas, ônus e custos associados à continuidade dessa ação coletiva”, explicou a Petrobrás, em comunicado ao mercado. O pagamento previsto no acordo será feito em duas parcelas de US$ 983 milhões e uma de US$ 984 milhões.

Na ação, protocolada no final de 2014, os investidores do exterior acusavam a Petrobrás de enganá-los para comprar ações ao mesmo tempo em que a estatal estava envolvida nos crimes de corrupção desvendados pela Operação Lava-Jato. Com o acordo proposto, a companhia, no entanto, se isenta de responsabilidade. “O acordo não constitui reconhecimento de culpa ou de prática de atos irregulares pela Petrobrás. Isso reflete a sua condição de vítima dos atos revelados pela Operação Lava-Jato”, afirmou.

A corte americana fará uma primeira avaliação, e após aprovação preliminar, os investidores serão notificados sobre os temos do acordo para que possam se manifestar. Haverá então uma audiência para decidir se o acordo será aceito ou não.

5
Deixe seu comentário

avatar
4 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
joão batista de assis pereiraCuriosoLuciano Seixas Chagas Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luciano Seixas Chagas
Visitante
Luciano Seixas Chagas

A Petrobras é assim penalizada duas vezes: a primeira por ter seus contratos aumentados em valor por agregar propinas não completamente devolvidas; depois por Pullen Parente se anteciparem à corte americana, que ele mesmo nomeou, no passado, ao vender as ADR da Petrobras no mercado búrsatil de lá por U$ 5 bilhões (uma pechincha) e agora, ao autorizar pagamento de U$ 2,95 bilhões as empresas que investiram aqui, numa atividade de absoluto risco, e ainda ter a petulância de dizer que corte americana facilmente homologará o acordo. Quem não homologaria ao receber de volta o grana perdida no risco da… Read more »

Curioso
Visitante
Curioso

Vem cá, e as promessas que a Petrobras fez durante anos de produzir 4,5 milhões de barris por dia em 2020 que agora são 2,3 milhões. Disso ninguém lembra ? É uma redução na expectativa de faturamento em 36 bilhões de dólares por ano. Isso também não é grave não ?

joão batista de assis pereira
Visitante
joão batista de assis pereira

ANO NOVO, OBSERVAMOS NOVOS GOLPES PROMOVIDOS CONTRA A PETROBRAS DETERMINADO PELO GOVERNO FEDERAL E SÉQUITOS. Observamos o governo corrupto do Temer em reunião falaciosa de final de ano em conluio com o presidente da Petrobras P.Pullen Parente para acertar os detalhes finais para golpear a Petrobras, tanto no cenário interno, no que diz respeito a definição dos vetos para sancionar o REPETRO (Regime especial tributário na área de prospecção e lavra do Petróleo), como no ambiente externo, em ação nos EUA a respeito dos detalhes finais relacionado ao acordo bilionário (dez bilhões de Reais) que a Petrobras ofertaria a Departamento… Read more »

joão batista de assis pereira
Visitante
joão batista de assis pereira

A Petrobras, a meu ver deveria refazer seu plano plurianual de negócio e alterar suas metas e objetivos empresariais para se melhor posicionar frente a poderosa potência nucleares do primeiro mundo diante da nova geopolítica mundial implantada pelos norte americanos. Neste sentido deveria investir parte de seus recursos no desenvolvimento nuclear brasileiro, não para produção de energia atômica propriamente dita, mas para produção de armamento nuclear, em associação com a Nuclep e Nuclebras, indústrias bélicas nacional, de forma a dotar o Brasil de maior poderio bélico para servir como poderoso poder de persuasão contra a poderosa potência nuclear do norte.… Read more »

trackback

[…] da Petrobrás, Pedro Parente, ao Tribunal de Contas da União (TCU) para esclarecer pontos do acordo de US$ 2,95 bilhões com investidores estrangeiros. O executivo deve enfrentar alguns questionamentos que tem sido feitos ao longo dos últimos dias […]