GRUPO FRANCÊS ASSUME O CONTROLE DA MAXCONTROL, QUE MIRA EM NOVOS CONTRATOS

Por Davi de Souza (davi@petronoticias.com.br) –

maxcontrolDe olho nas oportunidades no setor nacional de óleo e gás, o grupo francês SNEF adquiriu o controle da brasileira MaxControl, empresa de engenharia e tecnologia que atua oferecendo soluções de automação, instrumentação, elétrica, TI industrial e telecomunicações. Nesta nova fase, o objetivo é oferecer novas tecnologias ao mercado, de acordo com o diretor da MaxControl, Elcio Pasqualucci. A empresa, aliás, está trabalhando atualmente em três importantes projetos: P-75, P-77 e Pioneiro de Libra. Além disso, o executivo afirma que existe o interesse em participar das obras da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro. “A MaxControl trabalhou e tem muita experiência na UPGN do  Comperj. Então, nossa expectativa é poder colaborar neste projeto também”, declarou Pasqualucci.

Qual tem sido o foco de atuação da empresa?

O nosso foco de atuação em óleo e gás tem sido em elétrica, instrumentação, controle e telecomunicações.

Quais são os principais projetos em andamento?

Nós estamos trabalhando em três projetos de FPSOs. São eles: a P-75, a P-77 e o Pioneiro de Libra. Nosso trabalho começa com toda a arquitetura do sistema de automação, desenvolvimento da documentação, implantação e comissionamento. 

Em que fase estão estes contratos?

No Pioneiro de Libra, estamos dando suporte à operação. Já as plataformas P-75 e P-77 estão em fase de comissionamento na China. Temos equipes lá trabalhando. A nossa previsão atual é que a P-75 deve sair em maio da China e a P-77 em setembro. Esta é uma expectativa nossa, não é oficial. Mas serve para fazermos nosso planejamento de trabalho.

E como está a busca por novos negócios?

A MaxControl trabalhou e tem muita experiência na UPGN do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Então, nossa expectativa é poder colaborar neste projeto também.

Gostaria que o senhor comentasse sobre a compra da MaxControl pelo grupo SNEF.

Nós anunciamos recentemente a compra do controle da nossa empresa por este grupo, que é francês e tem sede em Marseille. A SNEF está no Brasil desde 2010 e a sede em nosso País fica em Belo Horizonte. Eles entraram em nosso mercado para atuar em energia e infraestrutura. Porém, o grupo de SNEF tem muitos trabalhos na área de óleo e gás no Golfo Pérsico, na África e no Golfo do México. Então, eles decidiram trazer a sua experiência para o setor de petróleo do Brasil, por meio da compra de 51% da MaxControl.

A partir desta nova fase, quais são os objetivos?

Fazer grandes pacotes de alta tecnologia: automação, sistemas elétricos, instrumentação (tanto engenharia quanto fornecimento de instrumentação para os processos de óleo e gás) e a parte de telecomunicações.

Como será a troca de conhecimentos entre MaxControl e SNEF?

Em março, na França, iniciaremos o processo de troca de conhecimento. A MaxControl conhece muito bem os FPSOs, não só a nossa empresa, mas também outros de nossos colaboradores. Trabalhamos em dezena de obras da Petrobrás. E a estatal é a que mais investe em produção de águas profundas no mundo. A Petrobrás é o grande atrativo para que novos investimentos sejam feitos no Brasil. Além disso, temos outras operadoras atuando no País. 

Quais são as perspectivas com o mercado de óleo e gás brasileiro?

O trabalho de óleo e gás offshore é, intrinsecamente, internacional. O conhecimento da engenharia brasileira é um dos melhores do mundo. Nessa nova composição do mercado, a nossa estratégia é crescer com essa experiência que existe no Brasil. Agregar o valor e oferecer isso mundialmente, porque há uma necessidade em escala global. A engenharia brasileira é muito avançada, temos engenheiros excelentes, principalmente no Rio de Janeiro. Queremos fazer parte dessa nova história e atender a este mercado, que vai crescer. A engenharia brasileira é a base para podermos conversar no mundo. Nós brasileiros somos muito respeitados. Esse reconhecimento da engenharia do Brasil faz com que tenhamos essa visão. 

Além desse setor, outros investimentos vão acontecer no onshore. Temos experiência em trabalhar em refinarias do País e existem ainda os novos projetos. O primeiro grande empreendimento que nós visualizamos é a UPGN do Comperj. O mercado aguarda um começo em breve desta licitação. Este projeto marca uma retomada importante para nós. Uma vez que você trata o gás, ele precisa ser distribuído e utilizado. Os investimentos da Petrobrás e das distribuidoras de gás vão acontecer e, por isso, esperamos acompanhar toda essa linha  vinda desta matriz energética. 

12
Deixe seu comentário

avatar
12 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
AlexandreMarcioTiagoMarceloJorge Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Amauri
Visitante
Amauri

Esse Elcio afundou a antiga Unicontrol e agora vem com essa nova empresa. Ainda deve milhares de ex funcionários que tiveram que correr atrás de alguma coisa na justiça como FGTS e etc. Não sabemos nem se vamos receber. Agora vem com essa nova empresa em que todos nós sabemos que o verdadeiro dono é ele é como está sujo no mercado, colocou laranjas na empresa para ficar de frente!! Porque não nos paga Sr. ELCIO?? ESSE É O NOSSO BRASIL!!!

Loïc Béhin
Visitante
Loïc Béhin

Parabéns pela Entrevista, a MaxControl conseguiu crescer num mercado em crise esses anos e agora está se aproveitando do trabalho feito e despertou o interesse de uma multinacional séria para poder prosseguir com projetos e ideias de negócios ambiciosos.

Marcus
Visitante
Marcus

Parabéns e Sucesso.
Oportunidade de novos empreendimentos para desenvolvimento da Engenharia no Brasil

Daniel
Visitante
Daniel

Parabéns pelo sucesso nos empreendimentos até aqui e que com a aquisição pela SNEF possa iniciar uma nova fase cheia de projetos nacionais e internacionais.

Mauro
Visitante
Mauro

Concordo com você Amauri. Também fui insjustiçado por esse pilantra. Trabalhei 7 anos na Unicontrol e sai com uma mão na frente e outra atrás. Se não fosse a família pra dar uma força, eu tinha passado fome. Agora o pilantra está ai dando de Diretor, mas todos sabemos que o dono da empresa é ele. Nosso Brasil não é sério! Pra esses falsos empresários isso é normal, dão calote em vários inocentes e depois abrem novas empresas com outras pessoas de frente. Infelizmente o Brasil dá espaço para que essas pilantragens aconteçam. Também coloquei a empresa na justiça e… Read more »

Claudio
Visitante
Claudio

A MaxControl já era uma excelente empresa, um ambiente maravilhoso para desenvolver os projetos. Agora que o grupo Francês assumiu o controle o céu é o limite. Parabéns a MaxControl por este grande passo.

Leandro
Visitante
Leandro

Também trabalhei na empresa que esse senhor foi dono. Ambiente muito bom pra trabalhar. Porém muito mal gerido na administração. Tanto foi que deu calote nos funcionários e nos fornecedores. Só desejo receber o que me devem. Sorte para os funcionários dessa nova empresa, pois vão precisar.

Jorge
Visitante
Jorge

Quando os amigos falaram, juro que não acreditei. Mas esse é o nosso Brasil. Na grande maioria, só pessoas sem escrúpulo e caráter progridem. Mas progridem passando a perna nos outros e aproveitando dos mais fracos. Não é Élcio? Cadê nossa rescisão? Nosso FGTS? Foram 4 anos de trabalho para a empresa e direito nenhum depositado. Aposto que você sempre continuou de boa vida enquanto nós passamos dias de cão. Difícil trabalhar anos em uma empresa e no final sair com uma mão na frente e outra atrás.

Marcelo
Visitante
Marcelo

Infelizmente também estou nesse bolo dos que saíram sem nada. Mas por incrível que pareça, ainda acredito na justiça. Ainda receberemos o que é nosso e foi trabalhado pra isso. Diferente dele que pegou nossa grana e agora está bancando de Diretor, mas sabemos que ele é o verdadeiro dono dessa empresa.

Tiago
Visitante
Tiago

É muito frustante ver uma reportagem dessa e relembrar o que passamos e o que ainda estamos passando. A justiça é lenta mas as contas do mês e as dívidas não. Contraí várias dívidas financeiras devido ao não recebimento dos meus direitos e muitas se arrastam até hoje. A vida dele seguiu e a nossa parou com dívidas.