MATO GROSSO DO SUL VAI DEBATER EXPLORAÇÃO DO GÁS DE XISTO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

ssssAumentam as discussões sobre a exploração do Xisto no Brasil. Agora será a vez do Mato Grosso do Sul. A extração do gás de xisto, utilizado para a geração de energia elétrica em residências e indústrias está causando grande confusão. O deputado estadual Amarildo Cruz  disse que está preocupado com a exploração em 26 municípios do estado e declarou ainda que essa exploração vai causar prejuízos incalculáveis.  O grande  debate acontecerá  no dia 16 de abril , às 13h30, na Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul. A preocupação do parlamentar se deu depois que a Petrobrás arrematou o bloco de exploração da Bacia Terrestre do Paraná, que engloba os municípios de Água Clara, Anaurilândia, Angélica, Bataguassu, Batayporã, Brasilândia, Campo Grande, Deodápolis, Ivinhema, Nova Alvorada do Sul, Nova Andradina, Novo Horizonte do Sul, Ribas do Rio Pardo, Rio Brilhante, Santa Rita do Pardo, Taquarussu e Três Lagoas, durante a 14ª rodada dos leilões promovidos pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em setembro do  ano passado.

Há ainda a possibilidade de outros nove municípios de Mato Grosso do Sul serem impactados com a atividade, já que também fazem parte da bacia. São eles: Alcinópolis, Bandeirantes, Camapuã, Cassilândia, Chapadão do Sul, Costa Rica, Inocência, Rochedo e São Gabriel do Oeste. A técnica utilizada na extração do gás de xisto provoca perfuração do solo, seguida de fraturamento hidráulico, o que segundo cientistas e estudiosos de vários países, causariam graves impactos ambientais, muitos deles,  irreversíveis.

Defensor do meio ambiente, deputado Amarildo Cruz é autor do projeto de lei que suspende por dez anos a exploração do gás em todo o Estado de Mato Grosso do Sul. “Nossa proposta prevê a suspensão da extração dos gás no período de dez anos, para que sejam realizados Estudo de Impacto Ambiental (EIA), apresentação do Relatório de Impacto Ambiental (Rima) da bacia hidrográfica da região a ser explorada e o cumprimento de requisitos junto à ANP, além de discussões com órgãos competentes e com a população, principalmente das áreas que serão afetadas”.

2
Deixe seu comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Luciano Seixas Chagas Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luciano Seixas Chagas
Visitante
Luciano Seixas Chagas

Santa ignorância.

Luciano Seixas Chagas
Visitante
Luciano Seixas Chagas

Será que o senhor Amarildo Cruz poderia informar que gás será produzido nos folhelhos da Bacia do Paraná no Mato Grosso do Sul? (não é xisto pois esta é uma rocha metafórica que não gera nem retém petróleo). Geramos um problema sem ao menos saber do que se trata! Ou não se alguém conseguir me explicar sobre tal assunto ao qual dediquei horas estudando-o e tentando quantificar o seu potencial, absolutamente inexistente. Os números até agora apresentados, inclusive pela ANP e EPE, são extraordinariamente especulativos desprovidos de sustentação em registros geológicos (Quantidade e qualidade de Matéria orgânica, reservatório, ductilidade e… Read more »