INDÚSTRIA FICA DIVIDIDA EM RELAÇÃO AOS NOVOS ÍNDICES DE CONTEÚDO LOCAL PARA PLATAFORMAS

Por Davi de Souza (davi@petronoticias.com.br) –

Sérgio Bacci, vice-presidente executivo do Sinaval

Uma nova regra e diferentes opiniões. A indústria ficou dividida em relação aos novos índices de conteúdo local válidos para as Rodadas de Concessão de 7 a 13, Cessão Onerosa e 1º e 2º leilões de Partilha. O Petronotícias ouviu entidades representativas para avaliar os números colocados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). O Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval) considera que 40% de conteúdo nacional para plataformas não é o percentual ideal, e que terá como consequência direta a construção de casco totalmente no exterior. A entidade também espera que esse número seja aplicado nos próximos leilões, como a 4ª rodada do pré-sal. Já para a Associação Brasileira das Empresas de Serviços do Petróleo (Abespetro), o novo índice vai aumentar a atratividade do Brasil, e que a indústria nacional será beneficiada com os novos contratos que virão, podendo aumentar ainda mais sua competitividade.

Vamos começar com o vice-presidente executivo do Sinaval, Sérgio Bacci:

Como a entidade avalia a decisão da ANP?

Esse índice, referente aos contratos da 7ª a 13ª rodada, não é o ideal para a indústria naval, mas é fruto de um acordo. O Sinaval conversou com a ANP sobre isso e foi o número possível de se chegar. Com 40%, o casco vai ser feito praticamente todo no exterior. Então, isto não é o ideal, mas foi o possível, que foi fruto de um acordo. Agora, precisamos seguir em frente. Nós esperamos que esse índice também tenha validade para as futuras rodadas. O Sinaval quer que esse número de 40% esteja nos próximos editais, como é o caso da 4ª rodada de partilha. O sindicato espera que esse número [do edital da 4ª rodada, atualmente em 25%] vá a 40%, porque não tem sentido termos 40% para trás e 25% para frente.

Quais as perspectivas para a indústria nacional a partir de agora?

O mercado naval está passando por um momento muito difícil, basicamente sem obras. O Rio de Janeiro, por exemplo, tinha 30 mil empregos em 2014 neste setor. Hoje, esse número é de menos de 3 mil, uma redução de 90%. Nós achamos difícil retomarmos os números de empregos vistos anteriormente, mas esperamos que parte da mão de obra seja recontratada. 

José Mauro Ferreira, diretor da Abespetro

Agora, vejamos a opinião do diretor da Abespetro, José Mauro Ferreira:

Como a entidade avalia a decisão da ANP?

A posição da Abespetro em relação a estes movimentos é que o foco no momento é atrair investimentos e mais operadoras. O conteúdo local era percebido como uma espécie de barreira. Quando as regras ficam mais atrativas e flexíveis, acreditamos que isso vai demandar mais encomendas para o País, independente do percentual que está sendo requerido. Sem encomendas, não há conteúdo local. Então, mesmo com um percentual aquém do desejado, o fato do Brasil começar a ter encomendas vai possibilitar a indústria investir e se preparar mais. Isso é importante. 

Quais as perspectivas para a indústria nacional a partir de agora?

Acreditamos que essas mudanças que a ANP está fazendo vão no sentido de aumentar a atratividade. Em um primeiro momento, acho que se o percentual está baixo em algumas categorias, é uma oportunidade que o Brasil tem de poder aumenta-los no futuro, a partir do crescimento da competitividade da indústria. 

Hoje, o importante é atração de investimento. Existem muitos campos que foram comprados que praticamente não foram desenvolvidos. Nos últimos 20 anos, tirando a Petrobrás, praticamente só os campos da Rodada 0 foram desenvolvidos. Da Rodada 1 para cá, nada ou muito pouco foi desenvolvido. Isso reflete um ambiente não atrativo dentro do País. O governo está tentando consertar isso. 

Deixe seu comentário

1 Comentário em "INDÚSTRIA FICA DIVIDIDA EM RELAÇÃO AOS NOVOS ÍNDICES DE CONTEÚDO LOCAL PARA PLATAFORMAS"

avatar
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Flavia Rolim
Visitante

Pelo menos uma notícia boa para a indústria naval Brasileira. Agora é essencial que a ANP estabelesça este indice para os próximos leilões também! Principalmente para a 4a e 5a rodada do pré-sal. Na 3a rodada tivemos bonus de assinatura recordes e percentual de óleo para a união de 60 a 80% (indices muito acima do mínimo de 30%) É inaceitável a colocação de que o conteúdo local é que inviabiliza o investimento!!!