FRANÇA E ESTADOS UNIDOS FAZEM ACORDO PARA MELHORAR PERFORMANCE DE REATORES RÁPIDOS

 

SSSEstados Unidos e França fazem um acordo para  para fortalecer a cooperação em reatores rápidos de resfriamento de sódio com nêutrons. O acordo foi assinado  entre o Departamento de Energia dos Estados Unidos(DOE) e a Comissão de Energias Alternativas e Energia Atômica da França (CEA). As instituições Os parceiros também fizeram uma parceria  para iniciar a cooperação no campo da inteligência artificial. Os documentos foram assinados ontem em Washington, DC, pelo secretário de Energia dos EUA, Rick Perry(foto), e pelo novo presidente da CEA, François Jacq. A França está desenvolvendo o Reator Técnico de Sódio Avançado para Demonstração Industrial (Astrid). O trabalho nos EUA, por sua vez, é focado em avaliações de sistemas, questões materiais, análises de segurança e implicações de reatores rápidos resfriados a sódio para o gerenciamento de combustível nuclear usado.

 A Astrid representa uma plataforma de tecnologia que a França gostaria de ter disponível para uso por volta de 2040. O protótipo de 600 MWe Astrid operaria a partir de 2025, com uma série de 1500 unidades de MWe a serem seguidas. Eles seriam alimentados por urânio empobrecido e plutônio em combustível de óxido misto. Os reatores de nêutrons rápidos oferecem a perspectiva de um uso muito mais eficiente dos recursos de urânio do que os reatores de energia convencionais, bem como a capacidade de queimar os actinídeos. Os reatores rápidos operam em vários países desde a década de 1950, com alguns produzindo eletricidade comercialmente. A própria França operou três desses reatores desde a década de 1960, incluindo a Phoenix, que operou de 1973 a 2009. A CEA foi contratada pelo governo para desenvolver dois reatores rápidos de quarta geração.

O DOE e o CEA explorarão áreas de colaboração adicional no desenvolvimento de reatores de resfriamento de sódio de nêutron rápidos, variando de SSmodelagem, simulação e validação, testes de tecnologia, acesso a cadeias de suprimento, instalações experimentais e materiais avançados. Em inteligência artificial, o CEA e o DOE trabalharão em tecnologias para transformar dados e informações em conhecimento e expertise para promover os respectivos objetivos. Francois Jacq acrescentou: “Tenho o prazer de assinar estas declarações logo no primeiro dia do meu mandato como presidente da CEA. A CEA é um ator-chave tanto da energia quanto das transições digitais, e estou confiante em nossa parceria reforçada com o DOE nesses dois campos. ajudará nossas agências a cumprir sua missão, para o benefício de nossos dois países.”

Rick Perry disse que “A assinatura desse documento demonstra o compromisso compartilhado da França e dos Estados Unidos com a energia nuclear como uma fonte acessível, segura e segura de energia limpa. Nossa cooperação hoje dará início às tecnologias nucleares de amanhã. Essa cooperação desempenha um papel fundamental na manutenção da competitividade de custos e confiabilidade em todo o mix de energia, beneficiando ambos os países no reforço da segurança energética transatlântica”.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of