APÓS 20 ANOS, EMÍLIO ODEBRECHT DEIXA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA

emilioEsta sexta-feira (27) representa o fim de um ciclo para a Odebrecht. O executivo Emílio Odebrecht, filho do fundador do conglomerado, Norberto, vai deixar o cargo de presidente do conselho de administração da companhia. Esta é a primeira vez que o comando do colegiado sairá da família que deu origem à empresa.

Em uma trajetória extensa no alto comando da Odebrecht, Emílio foi presidente executivo do grupo de 1991 até 1998. Desde então, assumiu o comando do conselho de administração da companhia. Durante todo este período, a Odebrecht foi conquistando cada vez mais musculatura. Até que a Operação Lava-Jato revelou os esquemas de corrupção dentro da empresa, com direito a um departamento dedicado exclusivamente ao pagamento de propinas. As investigações respingaram em Emílio, que fechou um acordo de delação premiada. Entre os termos do documento, estava prevista a sua saída do conselho de administração.

Sem a presença direta de membros diretos da família fundadora, o conselho de administração da Odebrecht terá nove assentos, sendo que seis serão de conselheiros independentes e três indicados pela família – sem vínculo de parentesco. Os nomes indicados para os postos ainda não foram oficialmente revelados.

1
Deixe seu comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Luciano Seixas Chagas Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luciano Seixas Chagas
Visitante
Luciano Seixas Chagas

Devia ir para a cadeia ao invés de sair da empresa.Se tivéssemos governo sério e judiciário proativo teríamos nomeado interventores para preservar a empresa e os empregos, o seu acervo tecnológico, além de prender os corruptores que fazem tal práxis há décadas e sempre, no final viram mocinhos ou empresários ludibriados. Uma farsa. Seu montante acionário deveria ser confiscado e devolvido aos cofre das entidades surrupiadas ao invés de ser preservada, para uso nababesco do infrator. E consertamos assim o Brasil. Alguém acredita?