SÃO PAULO QUER INCENTIVAR INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS NO ESTADO E CONCEDE DESCONTO

11111São Paulo quer incentivar a indústria do petróleo e gás  no Estado. O governador Márcio França (FOTO) assinou nesta sexta-feira(29), um decreto que vai  dar maior competitividade para este setor. A partir de agora os bens e mercadorias do setor produzidos  em São Paulo e vendidos para outros estados também terão isenção de ICMS: “A primeira regra é que o governo seja ágil e eficiente. Esperamos que esse decreto colabore com a indústria e que nós possamos voltar a ter otimismo com a economia”, disse o governador.   Terão o benefício os itens incorporados aos bens que garantam a operacionalidade dos produtos utilizados na exploração e produção de petróleo e gás. As ferramentas utilizadas na manutenção também receberão o mesmo incentivo. o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, disse que  “Corrigimos essa distorção na tributação do setor para fortalecer a indústria paulista de petróleo e gás, responsável por mais de 40% da produção nacional de partes e peças”.

As operações de importação e de aquisição no mercado interno de bens ou mercadorias permanentes aplicados nas atividades de exploração e produção de petróleo e gás já haviam passado a ter carga tributária equivalente a 3% com a publicação do decreto estadual 63.208. A medida está em linha com o Repetro-Sped, publicado em dezembro de 2017 pelo governo federal. Os produtos vendidos para empresas do exterior não sofreram qualquer alteração com o decreto: “Essa é uma importante medida para aprimorar o tratamento tributário relacionado à indústria de exploração e produção de petróleo e gás natural”, destacou o secretário da Fazenda, Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho. “Além disso, essa ação incentiva um importante segmento da economia paulista e traz benefícios diretos para toda a cadeia”.

A partir de agora, ficam isentos de ICMS os equipamentos, máquinas, acessórios, aparelhos, partes, peças, materiais e outras mercadorias, utilizadas como insumos na construção e montagem de sistemas flutuantes e de plataformas de produção ou perfuração, bem como de suas unidades modulares a serem processadas, industrializadas ou montadas em unidades industriais. Os cascos e módulos, quando utilizados como insumos na construção, reparo e montagem de sistemas flutuantes e de plataformas de produção ou perfuração também não pagarão o imposto. Quando não houver definição do bloco de exploração ou campo de produção para onde serão destinados os bens, e a legislação federal admitir a armazenagem em depósito não alfandegado, o lançamento do ICMS fica suspenso para o momento em que ocorrer a saída dos referidos bens para a sua utilização econômica.

O imposto será pago uma única vez, ainda que o bem saia do território nacional e retorne posteriormente sem qualquer alteração ou beneficiamento, ou ainda nas subsequentes operações internas ou interestaduais. Poderão utilizar o incentivo fiscal as empresas detentoras de contratos no regime de concessão, cessão onerosa, contrato em regime de partilha, prestadoras de serviços e importadoras.

1
Deixe seu comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
LOURIVAL DA SILVA REIS FILHO Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
LOURIVAL DA SILVA REIS FILHO
Visitante
LOURIVAL DA SILVA REIS FILHO

Uma nova onda de fomento para o segmento Naval deve começar pelos Estados porque a União não tem mais fôlego político. O Rio de Janeiro apesar de toda crise e de uma das mais altas dívidas entre os Estados deveria seguir o mesmo caminho porque tem um mercado de petróleo e gás estagnado desde 2014 e sem perspectivas de retomar com força e a liderança que sempre o caraterizou. A isenção de impostos, ao contrário do que muitos governantes acha, não é apenas e tão somente uma abdicação de receita imediata mas uma forma de alavancar os negócios a médio… Read more »