Megabanner

SIMPÓSIO DA ASSOCIAÇÃO MUNDIAL EM LONDRES REFORÇA O CRESCIMENTO MUNDIAL DA GERAÇÃO NUCLEAR DE ENERGIA

dOs líderes da indústria nuclear delinearam em Londres, durante a segunda reunião ordinária da Associação Mundial de Energia Nuclear – WNA – as medidas concretas que estão tomando para ajudar a alcançar o objetivo da iniciativa Harmony, que é  alcançar uma participação de 25% na produção mundial de eletricidade até 2050. Lançado há três anos, o Harmony engloba três objetivos:  igualdade de condições para a geração nuclear entre as fontes de geração de eletricidade; um processo regulatório harmonizado e um paradigma de segurança eficaz. A Associação também conseguiu atingir os formuladores de políticas diretamente, especialmente em países que embarcam em um programa de energia nuclear. O Presidente da Eletronuclear, Leonan Guimarães, é o único brasileiro a participar. Em sua apresentação falou sobre o programa nuclear no Brasil, os avanços em várias áreas e as dificuldades que estão sendo superadas para conclusão das terceira usina nuclear brasileira e a expansão do programa de geração de energia nuclear no país.

Kirill Komarov(foto a direita), que é o Presidente do Conselho e Diretor para Desenvolvimento Corporativo e Negócios Internacionais da russa Rosatom, disse que  “A razão pelaKiril-Komirov-WNA-Symposium-2018-(WNA) qual nos reunimos aqui é discutir como a comunidade global poderia criar o ambiente no qual os planos da Harmonia para 1000 GW de nova capacidade nuclear até 2050 poderiam se tornar realidade.Todos entendemos que não há futuro sustentável sem a energia nuclear, pois é uma das fontes de energia mais eficientes e ambientalmente amigáveis, que fornece eletricidade de maneira resiliente e sustentável”. Ele disse também que “Alcançamos um nível elevado de reconhecimento na arena nuclear internacional. Novos membros juntaram-se de todo o mundo, incluindo organizações do Egito e Bangladesh. Isso cria valor para todos os membros existentes da Associação Nuclear Mundial. Também estabelece as bases para a indústria atingir o objetivo da Harmonia”.

bbSobre as alterações climáticas, Agneta Rising, diretora-Geral da WNA,  colocou a urgência do objetivo Harmony no contexto da onda de calor que afeta os países ao redor do mundo neste verão: “Norte, sul, leste e oeste eram superaquecidos. Pela primeira vez, estava em toda parte.  Isso trouxe à tona o fato de que emitir cada vez mais gases de efeito estufa pode tornar tais eventos climáticos extremos muito mais comuns.Temos que substituir os combustíveis fósseis como a força motriz do nosso mundo. Devemos parar de queimá-los para eletricidade, calor e também para transporte. Precisamos de uma descarbonização profunda e precisamos usar todas as formas de energia limpa de hoje, além de sua implantação normal para a geração de eletricidade, disse Rising.

Sobre o progresso em direção à meta Harmony, Rising destacou o lançamento na semana passada da terceira edição anual da Associação do World Nuclear Performance Report: “A medida que passamos pelos marcos de 450 reatores operáveis em todo o mundo e atingimos a marca de um total de 400 GWe instalada, o desempenho da frota global continua forte, com um fator de capacidade médio acima de 81% – uma alta mantida por 20 anos.”

Sete novos reatores foram conectados à rede no ano passado, com o Sanmen 2 da China esperado para a próxima semana. Essas conexões acrescentaram unidades EPR e AP1000 à lista de reatores avançados em operação, ao lado dos reatores APR-1400 e VVER-1200. Foi o crescimento mais longo desde 2002. A   geração de energia nuclear aumentou pelo quinto ano consecutivo, ultrapassando os 2500 TWh novamente. Isso é 10,5% da demanda global de eletricidade.  Tem havido um crescente reconhecimento da energia nuclear pelos formuladores de políticas.

Como a única e única visão da indústria nuclear global para o futuro da eletricidade, a Harmony chamou a atenção e a imaginação dos formuladores de políticas ec começou a abrir portas para essa indústria. Executivos da inovação de empresas de energia nuclear russas, chinesas e francesas as formas pelas quais o Harmony faz parte de sua estratégia. Evgeny Pakermanov(foto a direita), presidente da Rusatom Overseas, destacou a importância da colaboração internacional, particularmente no trabalho em tecnologias inovadoras. A Rusatom Overseas é uma subsidiária da Rosatom, que encomendou 13 novas unidades de energia nuclear nos últimos 11 anos na China, Índia, Irã e Rússia. Pakermanov descreveu a tecnologia de pequenos reatores modulares como uma solução verdadeiramente inovadora. Tanto em terra quanto no mar. A Akademik Lomonosov será no próximo ano a primeira usina nuclear flutuante do mundo a ser comissionada. No próximo ano, a Rosatom também construirá o primeiro quebra-gelo nuclear a ser totalmente desenvolvido na Rússia moderna. O Arktika será  o primeiro de três navios do Projeto 22220, que será capaz de atravessar o gelo com 3 metros de espessura enquanto escolta navios pelo Oceano Ártico.

aA Rússia e a China pretendem desenvolver cooperação de longo prazo em tecnologias de reatores de nêutrons rápidos e trabalharão juntas em uma usina nuclear flutuante. A China tem 42 unidades em operação, com uma capacidade total instalada de 42,44 GWe, ocupando o quarto lugar no ranking mundial. Possui 15 unidades em construção, com capacidade instalada total de 16,3 GW, ficando em primeiro lugar no mundo. A importância da segurança com a qual o setor está comprometido também  foi tratado na reunião anual. Durante o terremoto na ilha japonesa de Hokkaido, onde a usina nuclear Tomari sofreu uma queda de energia e foi forçada a mudar para geradores de emergência. A usina está segura com geradores a diesel que mantêm a temperatura baixa, disse ela.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of