Megabanner

PETROCITY ASSINA AMANHÃ CONTRATO COM ODEBRECHT PARA CONSTRUÇÃO DE MEGA PORTO NO ESPÍRITO SANTO

Por Davi de Souza (davi@petronoticias.com.br) –

jose robertoNovos tempos, novos negócios. Amanhã (17), a sede do governo do Espírito Santo terá a assinatura dos contratos entre a Petrocity e a Odebrecht para a construção do Centro Portuário de São Mateus (ES). O projeto é emblemático em vários sentidos. Para o estado e a região Sudeste, será uma grande plataforma logística que dará impulso econômico em todo o seu entorno. Para a empreiteira, a obra é o primeiro grande empreendimento que vai liderar após os desafios que teve de superar em virtude da Operação Lava-Jato. De acordo com a Odebrecht, a construção do terminal utilizará tecnologias de dragagem, cravação de estacas, fabricação de estacas e peças pré-moldadas. Além disso, farão parte da implantação as instalações elétricas, rede de dados e sistemas de automação. A empresa estima algo em torno de 2.500 profissionais envolvidos durante a construção. A obra se iniciará pelos serviços de terraplanagem onshore e pela construção do quebra-mar offshore.

O presidente da Petrocity, José Roberto Barbosa da Silva, afirma que os trabalhos serão iniciados assim que liberada a licença ambiental do empreendimento. O executivo ainda explica que, no evento de amanhã, serão também apresentadas as companhias que se instalarão no porto. “Essas empresas são dos mais variados segmentos, como no caso de geração de energia. Elas ajudarão [na geração de energia para] o porto, mas o excedente de produção será colocado na rede”, explicou. Silva ainda revela alguns avanços no projeto de construção da Estrada de Ferro Minas Espírito Santo (EFMES), que junto com o porto criará uma grande plataforma logística na região. “Hoje, já temos os estudos de cargas já iniciados e o projeto conceitual. Temos também as coordenadas não definitivas para a alocação da estrada de ferro. O nosso objetivo é avançar para que, até julho, tenhamos o projeto concebido”. Por enquanto, a Odebrecht será responsável apenas pela construção do terminal portuário. A ferrovia não faz parte da obrigação assumida com a Petrocity, mas a empreiteira afirma que a obra poderá ser incorporada ao contrato inicial se for interesse das partes.

Como surgiu a ideia de iniciar este projeto?

No início do projeto, tínhamos o empreendimento focado em óleo e gás. O Brasil estava no ascendente em relação à exploração de petróleo no Brasil. Em 2015 e 2016, vivemos a instabilidade da economia brasileira. Em 2016, começamos a rever o nosso projeto e, em meados de 2017, chegamos a um novo arranjo, que seria o ideal. Em junho passado, chegamos a um conceito definitivo, com um novo arranjo no aspecto de engenharia e também de carga. Identificamos que as cargas preponderantes para nosso conjunto seriam: carga geral e contêineres, movimentação de veículos Rolon Rolof, rochas ornamentais, celulose, aço e também uma área destinada ao supply para atividades de óleo e gás.

Desde então, quais foram os avanços conquistados?

Recebemos um termo de referência muito extenso do Instituto Estadual de Meio Ambiente. Procuramos os parceiros e as empresas especializadas para que, efetivamente, pudéssemos dar uma resposta a todos os pontos elencados pelo órgão ambiental. E assim o fizemos. Em 2018, acabamos nos aproximando muito da Odebrecht Engenharia & Construção Internacional. A empresa construiu 52 portos no mundo, sendo 19 no Brasil. Com o apoio deles e das empresas indicadas por eles, concluímos todo este estudo. Em junho de 2018, protocolizamos no órgão ambiental. 

A grande segurança que temos é o acerto técnico que trouxe a Odebrecht para dentro do negócio. Isso nos trouxe um desenho e uma definição técnica. Por já conhecermos as estruturas desenvolvidas [por eles], isso nos traz a certeza de termos uma unidade segura, rentável e, acima de tudo, sustentável. Ao assinarmos esses contratos, poderemos avançar ainda mais com os projetos executivos do porto. 

O senhor pode falar um pouco da estrutura do porto?

Desde a instalação até a operação do porto, temos que ter uma unidade ideal com capacidade para atender uma obra de infraestrutura que vai operar com 3 mil pessoas diariamente, com diferentes tipos de cargas e grande movimentação de veículos. Definimos uma grande unidade de tratamento de água – com uso, inclusive, do processo de dessalinização -, uma unidade de tratamento de efluentes, uma subestação com capacidade efetiva para operamos com segurança e duas plantas fotovoltaicas com 5 MW cada.

É um projeto ambicioso e moderno, que pretende incentivar a ampliação da cabotagem no Brasil. Por se tratar de um porto com conceito de área avançada offshore, idealizamos uma plataforma grande, com 16 metros de calado de lado, 14 metros de leito natural do outro. Receberemos embarcações para o transbordo e movimentação de cargas para embarcações menores, que possam distribuir para os portos de menor calado e com custos menores. 

E quais serão os próximos passos?

AAAEstamos chegando ao projeto definitivo. Por isso, estamos construindo os contratos definitivos, que serão assinados para que estejamos preparados para simultaneamente iniciar a mobilização para a obra assim que for liberada a licença ambiental.

Existe uma série de institutos públicos com anuência de autorizações para projetos portuários. No nosso caso, já temos as anuências da Prefeitura liberadas. Também temos o documento expedido pela Secretaria Especial de Portos. Estamos também devidamente autorizados pela Marinha do Brasil. Na parte de financiamento, temos uma carta de intenção assinada com os fundos, aguardando licença para que possamos dar sequência. Então, a partir de amanhã, após a assinatura dos contratos, só estamos aguardando a licença de instalação para começar a implantação do Centro Portuário de São Mateus. 

Além do contrato da Odebrecht, teremos amanhã a assinatura das empresas que se instalarão no porto?

Sim, todas assinarão o contrato. Teremos, inclusive, a apresentação de cada uma delas, com o contrato definitivo sendo assinado e com um novo memorando de entendimento que será assinado entre a Petrocity e o governo do Espírito Santo. Essas empresas são dos mais variados segmentos, como no caso de geração de energia. Elas ajudarão [na geração de energia para] o porto, mas o excedente de produção será colocado na rede. Então, o que estamos fazendo de fato é criar unidades de negócios, com toda a sinergia e integração com o porto, gerando empregos e interiorizando a economia. 

Existe também o projeto de construir uma estrada de ferro ligando o porto até Minas Gerais. Qual foi a janela de oportunidade que a Petrocity enxergou?

Identificamos uma grande demanda de movimentação de cargas no norte do Estado do Espírito Santo, sul da Bahia e outras regiões. Nessas áreas, há uma grande produção de cargas, que precisam de segurança para seu escoamento. Com base nisso, fizemos um estudo minucioso e protocolizamos em Brasília um pedido para uma futura instalação da estrada de ferro Minas-Espírito Santo. 

A estrada sairá de São Mateus e chegará em Sete Lagoas (MG), onde já temos um parceiro, chamado Next. Essa empresa tem um acordo com a Petrocity. Estamos, inclusive, trocando informações e fazendo estudos que possam viabilizar essa estrada de ferro. Nessa ferrovia, teremos seis unidades de transbordo de carga do modal rodoviário para o ferroviário e, depois, para o porto de São Mateus. 

Em que fase está o projeto da estrada de ferro?

Hoje, já temos os estudos de cargas já iniciados e o projeto conceitual. Temos também as coordenadas não definitivas para a alocação da estrada de ferro. O nosso objetivo é avançar para que, até julho, tenhamos o projeto concebido. A nossa pretensão é que, até 2020, possamos avançar no licenciamento ambiental desta estrada de ferro e iniciar a sua instalação. 

37
Deixe seu comentário

avatar
36 Comment threads
1 Thread replies
3 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
29 Comment authors
Elizeu Soares de OliveiraCarlos Araújo CavalcanteCarlindo Silva de sousaMaicom chevonicaGuilherval Martins Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Graziano Fiorezi
Visitante
Graziano Fiorezi

Qual a Empresa está Projetando a Ferrovia?

Danielle
Visitante
Danielle

Qual empresa será responsável, sou formada em técnico em segurança do trabalho e gostaria de saber qual email envio meu currículo para análise

João carlos Pereira
Visitante
João carlos Pereira

Sou soldador muito bom Maravilha?

carlos frederico moreira
Visitante
carlos frederico moreira

sou mestre de obras qual o endereco do rh.da empresa que esta recrutando

Gilmar ribeiro
Visitante
Gilmar ribeiro

Quando será o início da obra na parte mecânica e qual a empresa q vai executar qual email pra enviá curriculum

Valdenir de Souza Santos
Visitante
Valdenir de Souza Santos

Sou encarregado de obra civil tenho interesse

Valdenir de Souza Santos
Visitante
Valdenir de Souza Santos

Tenho interesse sou encarregado de obras

Divaldo dis santos
Visitante
Divaldo dis santos

Aonde vai ser as escrivão eu sou mestre de cravacao

sivaldo dis santos
Visitante
sivaldo dis santos

Sera muito bom o pais estar precisando que ele volte a desenvolver e gerar emprego

sivaldo dis santos
Visitante
sivaldo dis santos

Sou mestre de obras e cravacoes de estacas todas os tipos de estaca

Ricardo aparecido de morais
Visitante
Ricardo aparecido de morais

bom dia trAbalho de Mestre de obras ou supervisor30 anos no ramo8