EQUINOR DIZ QUE HÁ POTENCIAL PARA REDUZIR PREÇO DE EQUILÍBRIO DE CARCARÁ PARA MENOS DE 35 DÓLARES POR BARRIL | PetroNotícias





EQUINOR DIZ QUE HÁ POTENCIAL PARA REDUZIR PREÇO DE EQUILÍBRIO DE CARCARÁ PARA MENOS DE 35 DÓLARES POR BARRIL

Margareth OevrumA norueguesa Equinor acredita que é possível reduzir o breakeven (ponto de equilíbrio onde a empresa deixa de perder dinheiro e passa a ganhar e equilibrar o capital investido) do campo de Carcará, na Bacia de Santos. Segundo a chefe das operações da companhia no Brasil, Margareth Øvrum, é possível diminuir o número dos atuais US$ 35 dólares por barril. A declaração foi feita durante evento do mercado de capitais em Londres, na Inglaterra.

A executiva disse ainda no encontro sobre as metas para outro importante ativo, o campo de Roncador, na Bacia de Campos. Oevrum disse que a taxa de recuperação do ativo está atualmente na faixa de 29%, mas a meta de longo prazo da companhia é 40%. Ela ainda acrescentou que a estatal norueguesa está confiante de que poderá aumentar sua lucratividade no campo.

A Equinor é a operadora com 76% de participação no bloco BM-S-8 offshore na Bacia de Santos, que contém uma parte significativa do campo de Carcará, umas das maiores descobertas do pré-sal nos anos recentes. Em Roncador, a empresa norueguesa possui 25% de participação adquiridos da Petrobrás, no ano passado.

2
Deixe seu comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Luciano Seixas Chagas Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luciano Seixas Chagas
Visitante
Luciano Seixas Chagas

Com a potencial produção e Carcará turbinada pela alta pressão dos reservatórios Carcará exigirá pois mais caros porem mui menos quantidades de equipamentos tipo FPSO’S etc. O breakeven poderá ser de US$ 20/boe, como muitos já dizem há muito

Luciano Seixas Chagas
Visitante
Luciano Seixas Chagas

O fator de recuperação de Roncador está baixo por absoluta falta de investimento por parte dos gestores da empresa dos últimos anos. Assim puderam justificar as estranhas “parcerias” de um ativo que tem o pré-sal em maiores profundidades.