Megabanner

O MUNDO INVESTE EM NOVOS REATORES MODULARES MAIS SEGUROS QUE PODEM DETER O AVANÇO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

xxxxcczzzApesar da angústia sobre o aquecimento global, o carvão foi responsável por 38% da energia mundial em 2017.  Exatamente o mesmo nível de quando o primeiro tratado climático global foi assinado há 20 anos. Pior ainda, as emissões de gases de efeito estufa aumentaram 2,7% no ano passado, o maior aumento em sete anos. Esta estagnação levou muitos formuladores de políticas e grupos ambientais a concluir que precisamos de mais energia nuclear. Mesmo os pesquisadores das Nações Unidas, que não estavam entusiasmados no passado, agora dizem que todo plano para manter a temperatura do planeta sob o nível de 1,5 ° C dependerá de um salto substancial na energia nuclear. Desde o início de 2018, há 75 projetos separados de fissão avançada tentando responder a essa pergunta apenas na América do Norte. Esses projetos empregam o mesmo tipo de reação usado nos reatores nucleares convencionais que são usados há décadas. Uma das principais tecnologias é o pequeno reator modular, ou SMR: uma versão enxuta de sistemas de fissão convencionais que promete ser mais barata e segura. A NuScale Power, com sede em Portland, Oregon, tem um design de 60 megawatts que está perto de ser implantado.

A NuScale tem um acordo para instalar 12 pequenos reatores para fornecer energia a uma coalizão de 46 empresas de serviços públicos no oeste dos Estados Unidos, mas 1o projeto só poderá avançar se os membros do grupo concordarem em financiá-lo até o final deste ano. Em 2011, a Generation mPower, outra desenvolvedora de SMR, fez um acordo para construir até seis reatores semelhantes aos da NuScale. Tinha o apoio dos proprietários corporativos da Babcock & Wilcox, uma das maiores construtoras de energia do mundo, mas o pacto foi arquivado em menos de três anos porque não surgiram novos clientes. Nenhuma encomenda significava que os preços não cairiam, o que tornou o acordo insustentável.

6666Enquanto a abordagem da NuScale usa os tradicionais reatores nucleares resfriados à água leve e os encolhe, os chamados sistemas de geração IV usam refrigerantes alternativos. A China está construindo um reator de resfriamento de sódio em larga escala na província de Fujian, que deve começar a operar em 2023, e a TerraPower, com sede em Washington, vem desenvolvendo um sistema de resfriamento de sódio que pode ser alimentado com combustível irradiado, urânio empobrecido. A TerraPower, onde  Bill Gates é  investidor,  fez  um acordo com Pequim para construir uma usina de demonstração até 2022, mas as restrições do governo Trump ao comércio chinês tornam seu futuro questionável. Os americanos querem que Gates invista na área nuclear, mas nos Estados Unidos.

Outra variante da geração IV, o reator de sal fundido, é mais segura do que os projetos anteriores, pois pode resfriar-se mesmo se o sistema perder completamente a energia. A empresa canadense Terrestrial Energy planeja construir uma usina de 190 MW em Ontário, com seus primeiros reatores produzindo energia antes de 2030 a um custo que pode competir com o gás natural. Um reator IV de geração pode entrar em operação em breve. Reatores resfriados a hélio, de altíssima temperatura, podem operar a até 1.000 ° C, e a estatal China National Nuclear Corporation tem um protótipo de 210 MW na província de Shandong, leste, que deve ser conectado à rede neste ano.

4444Para muitos, porém, a grande esperança energética continua sendo a fusão nuclear. Reatores de fusão imitam o processo nuclear dentro do sol, quebrando átomos mais leves para transformá-los em mais pesados e liberando grandes quantidades de energia ao longo do caminho. No sol, esse processo é alimentado pela gravidade. Na Terra, os engenheiros pretendem replicar as condições de fusão com altas temperaturas incomensuráveis – da ordem de 150 milhões de graus -, mas descobriram que é difícil confinar o plasma necessário para fundir os átomos.

Uma solução está sendo construída pelo ITER, anteriormente conhecido como o Reator Experimental Termonuclear Internacional, em construção desde 2010 em 333Cadarache,  na França. Os primeiros experimentos, originalmente programados para 2018, foram adiados para 2025. A TAE Technologies, com sede na Califórnia, passou 20 anos desenvolvendo um reator de fusão que converte energia diretamente em eletricidade. A empresa, que recebeu US$ 500 milhões de investidores, previu em janeiro que seria comercial dentro de cinco anos.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of