Megabanner

FLUKE AMPLIA PARTICIPAÇÃO NO MERCADO SOLAR E PREVÊ CRESCER DOIS DÍGITOS NOS PRÓXIMOS ANOS NESTE SEGMENTO

Por Davi de Souza (davi@petronoticias.com.br) –

Rodrigo Cunha_FlukeSeguindo os passos do mercado solar fotovoltaico, que tem crescido nos últimos anos no Brasil, a Fluke adotou uma estratégia para ampliar sua presença neste segmento. Os primeiros resultados deste novo posicionamento já apareceram, conforme revelou o Gerente Nacional de Vendas da companhia, Rodrigo Cunha. “A nossa participação em vendas na vertical fotovoltaica mais do que triplicou. Isso é decorrente do foco que a empresa colocou desde o final de 2017 neste mercado, montando portfólio e uma estratégia específica para isso”, afirmou. Além das vitórias já obtidas, a ideia é continuar esta trajetória de crescimento, fornecendo ao mercado tecnologias de testes e medição. “A expectativa, partindo deste crescimento para frente, é a de alcançar mais de dois dígitos todos os anos, seguindo esta tendência de approach com o mercado fotovoltaico, acrescentou o executivo. Cunha declarou também que a Fluke participa de grandes projetos fotovoltaicos em Minas Gerais, Goiás e outras localidades, e também atua junto aos instaladores residenciais.

Como surgiu o interesse da Fluke pelo mercado fotovoltaico?

O segmento fotovoltaico já está sendo uma realidade para o mundo, de modo geral, há mais de dez anos. E no Brasil, esse movimento começou a se intensificar nos últimos dois anos e meio. E essa intensificação se deu na parte de instalações, manutenção e certificações. Todo o parque fotovoltaico instalado gera uma quantidade de energia relevante e suficiente para alimentar, de forma bastante eficiente, empresas e casas. Dessa forma, estas instalações precisam de uma garantia de operação e uma manutenção correta. É onde a Fluke entra.

Nós olhamos para este mercado em grande expansão e enxergamos que, daqui para frente, o mercado fotovoltaico terá um percentual bastante significativo em toda a geração de energia feita no Brasil. Hoje, ainda representa muito pouco. A maior parte da energia brasileira ainda é gerada pelas hidrelétricas. Particularmente, a Fluke trabalha numa vertente bastante específica, em termos de teste. Nosso core é teste e medição com equipamentos que proveem segurança.

A instalação e operação de um sistema fotovoltaico trabalha com níveis de tensão bastante altos. A Fluke montou um portfólio de produtos para atender este mercado, desde o setor residencial (instalação, manutenção e comissionamento) até plantas industriais ou fazendas fotovoltaicas. Estamos participando dos grandes projetos fotovoltaicos em Minas Gerais, Goiás e outras localidades, e também com os instaladores residenciais. Uma das nossas estratégias é trabalhar junto com grandes portais que atendam ao mercado fotovoltaico, um deles é o Portal Solar.

Quais são as principais tecnologias oferecidas pela empresa para este setor?

Nós temos traçadores de curva I-V, termovisores, toda a linha de qualidade de energia, a linha de osciloscópios portáteis, testadores de bateria e a linha geral, que acaba atingindo este mercado também. É importante destacar que a Fluke trabalha com multímetros e alicates com categorias de segurança compatíveis para este tipo de instalação, que fogem um pouco do padrão. 

E que vantagens estes produtos podem trazer para os clientes do setor?

As ferramentas proveem dados específicos, para que a instalação, operação e comissionamento estejam garantidos. Ou seja, que sejam seguros não só para quem faz a instalação, mas para quem trabalha com elas. Desde a instalação até a operação, existem níveis de segurança. Nossas soluções testam isso. As ferramentas protegem o operador que instala e também o usuário, com documentos e laudos que testificam que a instalação foi feita da forma correta.

Também analisamos a eficiência. Temos analisadores de qualidade de energia que possuem uma funcionalidade específica para o mercado de energia fotovoltaico, que é a medição de eficiência do inversor. A geração fotovoltaica é feita em corrente contínua e o inversor faz a mudança para a corrente alternada. Essa inversão tem um nível de eficiência. Nosso equipamento verifica se a energia gerada é, efetivamente, convertida para a rede. Ou seja, qual a eficiência deste inversor.

Como estão as negociações para fornecimento de soluções para o mercado fotovoltaico?

Na verdade, o modelo da Fluke trabalha com atendimento pelo canal de distribuição. Não temos um canal específico para o setor fotovoltaico. Todos os nossos canais trabalham em todas as verticais e atendem o mercado fotovoltaico. O que posso dizer é que medimos as vendas por verticais. A nossa participação em vendas na vertical fotovoltaica mais do que triplicou. Isso é decorrente do foco que a empresa colocou desde o final de 2017 neste mercado, montando portfólio e uma estratégia de mercado específica para isso. E não só por isso, mas também pela mudança na estrutura comercial e na estrutura de atendimento que aconteceu no meio de 2018. Essa combinação de fatores quase triplicou nosso resultado nesta vertical. 

E quais são as previsões de crescimento daqui em diante?

Nós tivemos agora um crescimento bastante expressivo. Esse crescimento, de triplicar o resultado, não deve se manter ao longo do tempo. Mas a expectativa, partindo deste crescimento para frente, é a de alcançar mais de dois dígitos todos os anos, seguindo esta tendência de approach com o mercado fotovoltaico, que tem crescido a passos largos. Somadas todas as nossas estratégias e parcerias com os portais, além do desenvolvimento de novas soluções para o setor, nossa expectativa é de crescer mais de dois dígitos nos próximos anos. A Fluke alcança mais de 25 verticais. E a empresa concentra esforços, com pessoas dedicadas exclusivamente para isso, em cinco verticais. E a fotovoltaica é uma delas.

A parte de medição está integrada ao quesito de segurança destas instalações. Gostaria que falasse sobre isso.

A quantidade de acidentes no segmento industrial acaba não sendo medida como acontece no segmento residencial. A Fluke tem trabalho junto com a Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel) para prover informação, a todo o mercado, sobre o cuidado com as instalações elétricas e com as operações. E isso vai desde utilizar um determinado equipamento com a categoria de segurança compatível com a instalação até o uso de produtos com certificações e homologações. Uma das nossas preocupações é esta. Montamos um conteúdo programático junto com a Abracopel exclusivo para profissionais do mercado fotovoltaico. Porque, como eu já mencionei, as instalações fotovoltaicas fogem um pouco do padrão e têm risco altíssimo. Para nós, é super importante que os equipamentos corretos sejam utilizados para que haja prevenção de ambas as partes – dos consumidores e dos instaladores. No final das contas, o que queremos é reduzir ao máximo a possibilidade de acidentes dentro deste segmento. 

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of