Megabanner

PPSA PREVÊ ARRECADAÇÃO DE R$ 20 BILHÕES PARA UNIÃO EM 2028 E SE PREPARA PARA CONTRATAR NOVOS FUNCIONÁRIOS

Por Davi de Souza (davi@petronoticias.com.br) –

gerk1A cada dia, cresce a expectativa em todo o setor de óleo e gás com a realização do leilão dos excedentes da Cessão Onerosa, agendado para 28 de outubro. Para as empresas, o certame representa uma porta para o fechamento de novos negócios. Para o governo, é a chance de aumentar a arrecadação com a exploração de petróleo e gás. A estatal Pré-Sal Petróleo (PPSA), que faz a gestão de contratos de partilha de produção, também vive essa expectativa. No comando da companhia há quase dois meses, o engenheiro Eduardo Gerk traça o futuro levando em conta os possíveis novos contratos que serão assinados no leilão da Cessão Onerosa. Atualmente, a empresa gere 14 contratos, com estimativa de que a receita para a União chegue a R$ 20 bilhões em 2028. “Se o leilão da Cessão Onerosa for bem sucedido, temos razões para crer que esse número pode dobrar”, acrescentou Gerk. O presidente falou ainda das potenciais novas contratações que a PPSA fará após os próximos leilões do pré-sal. “Esse número pode variar de 20 a 70. Vai depender do sucesso dos leilões. Mas eu diria que, caso todos os leilões sejam bem sucedidos, podemos chegar ao número de 74 pessoas”, afirmou.

Quais são as prioridades da sua gestão?

As prioridades são aquelas citadas pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, quando me fez o convite para assumir a PPSA. Uma delas é que a empresa estivesse preparada para encarar os desafios dos novos contratos que estão por vir – os dos volumes excedentes da Cessão Onerosa e da 6ª Rodada de Partilha, ambos os leilões previstos para este ano. Esses desafios incluem a questão de recursos humanos e a implantação do nosso sistema digital, o SGPP [Sistema de Gestão de Gastos de Partilha de Produção]. Estamos já em processo de estudo sobre qual a melhor forma de contratação, até o final do ano, desses recursos [humanos] que serão necessários a partir destes novos contratos. 

O ministro Albuquerque esteve recentemente reunido com a direção da PPSA. Pode nos contar um pouco sobre as pautas discutidas?

A reunião serviu para apresentar ao ministro as opções que temos para a contratação desses recursos. E também para falar da previsão dos módulos restantes do nosso sistema digital e da estrutura organizacional da empresa. Já temos definidos todos os tipos de recursos que precisamos. Tudo está mapeado para fazer frente aos desafios que estão por vir. Esses recursos serão adicionados de forma responsável. As posições serão preenchidas à medida que os contratos forem vingando.

Como a PPSA está se preparando para o leilão da Cessão Onerosa e para a 6ª Rodada de Partilha? Qual serão os principais impactos?

Curva de crescimento de arrecadação da União ao longo dos próximos anos.

Curva de crescimento de arrecadação da União ao longo dos próximos anos.

Temos uma previsão de receita até 2028. Dos 14 contratos que já temos assinados, a estimativa é que a receita para a União chegue a R$ 20 bilhões em 2028. São estudos feitos, com premissas estabelecidas, com taxa de sucesso estabelecida e com produtividade média de poços. Esse estudo foi feito de forma muito responsável e conservadora. Essa previsão admite que o primeiro óleo de todos estes projetos vai acontecer até 2028. 

Se o leilão da Cessão Onerosa for bem sucedido, temos razões para crer que esse número pode dobrar. Mas essa foi uma conta feita baseada em nossa experiência. Ainda não foi feito um estudo detalho sobre isso – que será realizado, tão somente, se o leilão for bem sucedido, pois teremos dados para promover o estudo.

Quantas contratações devem ser feitas em virtude do aumento de contratos?

Esse número pode variar de 20 a 70. Vai depender do sucesso dos leilões. Mas eu diria que, caso todos os leilões sejam bem sucedidos, podemos chegar ao número de 74 pessoas. Mas, repito, isso não é certo. Depende ainda do sucesso dos leilões e do timing dos planos de desenvolvimento [das áreas licitadas]. Essa contratação será distribuída ao longo do tempo à medida que os projetos demandarem recursos.

Há novidades sobre os AIPs que ainda estão sob avaliação da PPSA?

Nós temos 22 acordos ao todo. Sendo 7 assinados e 15 em andamento ou sob análise. Destes 15, todos estão no status de on going. Sem nenhuma previsão muito apurada neste momento.

ppsa ministro

O ministro Bento Albuquerque durante reunião na PPSA

O senhor pode falar também das metas de médio e longo prazos da empresa?

Sobre o médio e longo prazos, o que falamos é que, após a 8ª Rodada de Partilha, teremos uma PPSA da ordem de gestão de 30 contratos, aproximadamente. Se hoje temos 14 contratos e, destes, cinco estão em fase de desenvolvimento, imagine quando tivermos uma empresa com 30 contratos rodando na fase de desenvolvimento – que é a etapa que mais demanda recursos. Podemos pensar até que, no futuro, a empresa chegue ao número de 180 funcionários e com uma arrecadação fantástica para a União.

Qual será a grande vantagem quando o SGPP estiver plenamente instalado?

Este sistema é previsto e necessário, por força de contrato. Eu poderia citar os módulos mais importantes, que são o de comercialização, o de reconhecimento de custos e o de conteúdo local. São procedimentos que levávamos quatro dias e que, hoje, demoram quatro minutos. A dinâmica com o SGPP será fantástica. A transformação será muito grande na produtividade da gestão desses contratos.

1
Deixe seu comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
JOÃO BATISTA DE ASSIS PEREIRA Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
JOÃO BATISTA DE ASSIS PEREIRA
Visitante
JOÃO BATISTA DE ASSIS PEREIRA

POSICIONAMENTO CONTROVERSO DO PRESIDENTE DA PPSA: Observo com desconfiança as declarações do presidente da PPSA engenheiro Eduardo Gerk quando afirma que pretende contratar de 20 a 70 novos empregados qualificados em face do promissor sucesso dos leilões que poderia chegar ao número de 74 profissionais contratados via concurso público. Suas declarações faz depreender que esses profissionais seriam contratados para os quadros próprios da Estatal. Esqueceu o presidente que por regramento interno decorrente da lei e do decreto que criou a PPSA, essa estatal só pode contratar seu pessoal próprio por concurso público e por prazo determinado. Diante dessa exegese, antes… Read more »