DECISÃO DA BÉLGICA DE SAIR DA ENERGIA NUCLEAR EM 2030 IMPLICARÁ EM INVESTIMENTOS GIGANTESCOS NE GERAÇÃO DE ENERGIA

xxxA Bélgica precisará de mais capacidade do que o previsto anteriormente para lidar com a sua saída nuclear planejada. E o pior que   ainda não está pronta para nenhum cenário, segundo um novo relatório da Elia, a operadora de rede elétrica belga. Enquanto isso, uma equipe de especialistas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) concluiu uma revisão sobre a operação de longo prazo de duas das usinas nucleares do país. Não estar pronta para nenhum cenário, significa também que a eliminação de reatores nucleares seja mais gradual do que a atualmente prevista. A companhia  publicou   seu mais recente estudo de análise e adequação para a Bélgica até 2030. Nesse trabalho, ala faz um apelo para garantir que o atual governo provisório do país e seu próximo governo federal tenham absolutamente todos os recursos de que necessitam a tempo para evitar uma grave crise de capacidade: “Apesar dos esforços do ano passado, até o momento, ainda não estamos preparados para nenhum cenário.”

Os sete reatores nucleares da Bélgica geram cerca de metade de sua eletricidade, mas estão programados para fechar até o final de 2025. Mesmo sob um cenário de uma “extensão” nuclear parcial – sob a qual duas unidades nucleares, Doel 4 e Tihange 3, podem operar além de 2025, com uma   “capacidade de substituição considerável:  “Além disso, haverá necessidade de atualizações para reatores cujas licenças de operação estejam sendo renovadas, com tempos de pedido e períodos de indisponibilidade chegando aos meses de inverno, que já prometem causar dificuldades. Isso significa que cada cenário requer medidas apropriadas e deve haver Seja claro em breve sobre as consequências e as ações a serem tomadas. Portanto,  tão importante quanto fornecer capacidade de substituição é a necessidade de discussões para começar em breve com os proprietários de usinas nucleares, ” revela o trabalho.

O governo belga reafirmou em março do ano passado a sua intenção de eliminar a energia nuclear até 2025 e assim como a Alemanha, está sofrendo por isso. Na Alemanha, os preços da energia elétrica dispararam causando grande impacto na população. A última análise da Elia constata que o país precisará de cerca de 3,9 GWe de capacidade de reposição para lidar com sua saída nuclear. Este aumento é de 3,6 GWe estimado pelo operador da rede no final de 2017. Os planos dos países vizinhos de antecipar a sua saída da geração a carvão, o que tornará mais difícil para a Bélgica importar eletricidade quando houver escassez,  significará que mesmo mais capacidade vvvadicional será necessária no período 2022-2025, descobriu.

Decisões de outros países europeus para acelerar sua retirada da geração de carvão significam que a Bélgica precisará de cerca de 1GWe de capacidade adicional no período 2022-2025:, “Desde a publicação do estudo anterior de adequação e flexibilidade em 2016, os anúncios de paradas antecipadas e adicionais significam uma redução de capacidade de 26 GW. A saída acelerada de carvão nos países vizinhos (Holanda, Reino Unido, Itália, França e especialmente Alemanha) terá um impacto adverso sobre nossa capacidade de importar eletricidade nos meses de inverno”, diz o estudo da empresa.

Medidas adicionais serão necessárias a partir do inverno de 2022-2023 para manter a segurança do abastecimento, já que o atual mecanismo de reservas estratégicas só foi aprovado até o inverno de 2021-2022. O mecanismo de remuneração de capacidade geral (MRC) com o qual o governo planeja apoiar o mercado só será introduzido em 2025, o que significa que medidas adicionais serão necessárias nesse meio tempo para cobrir o período de 2022-2025, disse a operadora da rede.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of