ESPECIALISTA APONTA EXPERIÊNCIAS NO EXTERIOR QUE PODEM AUXILIAR O DESCOMISSIONAMENTO NO BRASIL | PetroNotícias





ESPECIALISTA APONTA EXPERIÊNCIAS NO EXTERIOR QUE PODEM AUXILIAR O DESCOMISSIONAMENTO NO BRASIL

Por Davi de Souza (davi@petronoticias.com.br) –

Melinda TruskowskiO mercado de descomissionamento de plataformas offshore no Brasil tem despertado o interesse de muitas empresas, devido ao grande número de unidades que serão desativadas ao longo de próximos anos no país. De acordo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), cerca de 40% das instalações offshore no país estão com mais de 25 anos de operação. Por se tratar de uma operação complexa e com riscos ambientais, especialistas indicam práticas internacionais que poderiam ser replicadas no Brasil, trazendo segurança e redução de custos. A diretora para as Américas no setor de Óleo & Gás da Ramboll, Melinda Truskowski, diz que no Golfo do México, por exemplo, existe a prática de converter plataformas petrolíferas desativadas em recifes artificiais. “As jaquetas de plataforma podem apoiar habitats marinhos que contribuem para serviços ecossistêmicos através da pesca esportiva e comercial e recreação subaquática”, detalhou. “Através da aplicação de técnicas de avaliação comparativa, como a Avaliação dos Benefícios Ambientais Líquidos (NEBA), as opções de descomissionamento total versus parcial podem ser avaliadas em uma base que inclua considerações monetárias e não monetárias”, acrescentou. Ela afirma ainda que a Ramboll tem se envolvido em oportunidades de desativação, utilizando avaliação ambiental, melhores práticas de engenharia e tecnologia digital de última geração.

Quais são as principais estratégias para redução de custos no descomissionamento offshore?

Existem várias abordagens que podem ser usadas para reduzir o custo do descomissionamento offshore. Os principais fatores são a redução da escala do descomissionamento, deixando partes da infraestrutura no local, colocando em recife as partes da plataforma que são removidas e melhorando a eficiência da operação de descomissionamento. Os pontos a seguir descrevem algumas abordagens que estão sendo usadas:

  • Redução no escopo do descomissionamento para deixar elementos no lugar após a remoção de poços e topsides. Dependendo da localização, os habitats marinhos estabelecidos e as rotas de navegação, dutos, umbilicais e coletes parciais podem ser deixados no lugar. A documentação do habitat marinho e a condição da infraestrutura da plataforma por meio de fotogrametria e avaliações estruturais informam o benefício relativo das opções de descomissionamento. Através da aplicação de técnicas de avaliação comparativa, como a Avaliação dos Benefícios Ambientais Líquidos (NEBA), as opções de descomissionamento total versus parcial podem ser avaliadas em uma base que inclua considerações monetárias e não monetárias. As jaquetas de plataforma podem apoiar habitats marinhos que contribuem para serviços ecossistêmicos através da pesca esportiva e comercial e recreação subaquática.
  • No Golfo do México, um programa estabelecido Rigs to Reefs permite a instalação de plataformas de perfuração em locais centralizados, reduzindo os custos de reciclagem e descarte em terra e criando um recife artificial que suporta um habitat marinho e valores recreativos associados.
  • No Mar do Norte, a adoção das Diretrizes para Avaliação Ambiental simplifica o processo de avaliação comparativa, reduzindo o tempo e o custo dessa atividade requerida.
  • A coordenação de serviços para descompactar várias plataformas em uma mobilização pode reduzir os custos por meio do gerenciamento eficiente de projetos. Combinando o esforço de descomissionamento para múltiplas plataformas, o empreiteiro de descomissionamento pode diluir o custo mobilização/desmobilização por plataforma e pode melhorar a eficiência operacional. Os proprietários também podem coordenar a construção de prontidão pré-elevação para minimizar o tempo que a embarcação de levantamento é necessária em cada local, de forma que as operações de levantamento possam começar dentro de horas após a mobilização.

Quais são as principais barreiras ambientais, pontos críticos e elementos a serem tomados durante essa atividade?

Os fatores ambientais a serem considerados durante o descomissionamento offshore incluem liberações potenciais de fluidos e resíduos de dutos, tanques e outras áreas da plataforma, interrupção de estacas de perfuração do leito do mar e perturbação do habitat marinho que pode se formar em torno do substrato duro as jaquetas de plataforma. Para minimizar o risco de vazamentos de fluidos, é aconselhável realizar um inventário das fontes potenciais de fluidos e remediá-los antes das atividades de desativação. Equipamentos de imagem operados remotamente podem ser usados para determinar o conteúdo de tanques submarinos sem colocar pessoal em risco. Uma vez que os materiais são caracterizados e o volume estimado, uma abordagem de remoção pode ser planejada e implementada, reduzindo o risco de liberações.

Durante a perfuração dos poços de exploração e produção, as estacas de perfuração contendo vários produtos químicos e hidrocarbonetos são depositadas no fundo do mar. Durante a vida útil da plataforma, essas estacas ficam envoltas em materiais de revestimento, isolando esses produtos químicos da água do mar. A remoção das estacas encapsuladas corre o risco de remobilizar os hidrocarbonetos na água e reintroduzir a exposição química às populações submarinas.

Em várias bacias ao redor do mundo, inclusive na costa da Califórnia, os habitats desenvolvidos em torno de plataformas foram documentados. O substrato duro das jaquetas de plataforma permite o estabelecimento de um habitat de recife que, em seguida, suporta populações de peixes. Os benefícios relativos desse habitat marinho devem ser pesados em comparação com o benefício de remover a estrutura e deixar o fundo do mar na condição de pré-desenvolvimento.

Considerando exemplos internacionais em todo o mundo, o que as empresas brasileiras devem fazer para estarem preparadas para iniciar o processo de descomissionamento das plataformas offshore?

O planejamento para o descomissionamento no início do ciclo de vida da plataforma é ideal, de modo que as considerações de descomissionamento possam ser integradas ao projeto, tanto pela facilidade de operação como pela incorporação de conceitos de economia circular. A economia circular é mais simplesmente descrita como retendo o máximo de valor dos recursos pelo maior tempo possível. Isso é realizado priorizando a reutilização, o reaproveitamento e a reciclagem sobre o descarte dos materiais que compõem a plataforma e os materiais associados a bordo das operações. No Mar do Norte, a União Europeia exige a incorporação da economia circular para a gestão de resíduos. O desenvolvimento de um documento de Estratégia de Gestão de Materiais para projetos de descomissionamento comunica os objetivos e ações necessários para implementar a economia circular na equipe do projeto. Essa abordagem foi implementada em outros locais, bem como onde plataformas foram deixadas no lugar e adaptadas como resorts de mergulho.

Qual a importância da análise prévia de risco no processo de descomissionamento?

A avaliação de riscos é uma atividade importante para qualquer empreendimento em que haja riscos para as pessoas, o meio ambiente, os ativos e a reputação. Para gerir eficazmente os perigos, estes devem ser claramente compreendidos e avaliados de modo a estimar o nível de risco, avaliar as estratégias de redução de riscos e definir as disposições de controlo adequadas e implementadas – este é o objetivo fundamental de qualquer processo de avaliação de risco.

A avaliação de riscos é particularmente importante no contexto do descomissionamento offshore, uma vez que o ativo e a natureza dos perigos sofrerão mudanças significativas durante a transição das operações em estado estacionário para o modo farol ou a remoção completa.

O processo de descomissionamento introduz muitos perigos novos e pode exigir modos de operação com elementos críticos de segurança e ambientais (SECEs) inibidos, parcialmente operacionais ou removidos. O risco associado a esses estados precisa ser avaliado de maneira estruturada e sistemática para ajudar a definir os controles apropriados e informar os processos de tomada de decisão.

Normalmente, as atividades de avaliação de risco estão alinhadas com as fases de descomissionamento e / ou quando está claro que haverá mudanças de etapa no nível de risco.

A mitigação de riscos pode ser realizada através do pré-planejamento de atividades para reduzir o tempo, a escala e a exposição às atividades que representam o risco. A redução da escala do descomissionamento, deixando a infraestrutura em vigor, também reduz o risco de segurança.

Como a Ramboll avalia as oportunidades de desativação no Brasil e nas Américas?

A Ramboll se envolve em oportunidades de desativação, onde podemos agregar valor aos nossos clientes, melhorando o desempenho operacional e ambiental, a sustentabilidade e a eficiência de custos. Fazemos isso através da aplicação de uma escala bem fundamentada de avaliação ambiental, melhores práticas de engenharia e tecnologia digital de última geração. A construção de um verdadeiro gêmeo digital de uma plataforma suporta extensões de fim de vida útil para a produção de campos, melhorando a economia do projeto e também informa a escala e a abordagem para o descomissionamento.

Sobre a indústria de petróleo e gás, você pode falar mais sobre os interesses e expectativas da Ramboll em geral?

A Ramboll trabalha em todos os segmentos da indústria de petróleo e gás, fornecendo serviços de engenharia e ambientais. Ajudamos nossos clientes a operar seus ativos em conformidade com as regulamentações aplicáveis e as melhores práticas de engenharia. Estamos também implementando tecnologias emergentes quando apropriado, como imagens remotas, modelagem computacional de última geração e desenvolvimento de gêmeos digitais, e estamos apoiando a tendência das empresas de petróleo e gás de expandir seu portfólio de recursos energéticos em fontes renováveis e outras fontes de menor intensidade de carbono.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of