Megabanner

CRESCE VAZAMENTO DE ÓLEO DO FPSO RIO DE JANEIRO

FPSO_Cidade_do_Rio_de_Janeiro_MV14A Petrobrás trouxe novas informações sobre a situação do FPSO Cidade do Rio de Janeiro, que teve seu casco trincado. Em novo sobrevoo na região onde se encontra a embarcação, foi observada a presença de óleo no mar, com volume estimado em 6.600 litros, além do vazamento identificado e já recolhido de 1.200 litros.

No momento, existem sete embarcações para recolhimento e dispersão do material atuando no local, além de quatro embarcações de apoio e um helicóptero, para sobrevoo. A Petrobrás disse ainda que a japonesa Modec, proprietária do ativo, informou o aumento na extensão das trincas.

Além disso, a estatal declarou que o navio continua em posicionamento estável e em condições seguras, sob monitoramento permanente. O FPSO Cidade do Rio de Janeiro encontra-se fora de operação desde o ano passado e em processo de saída da locação do campo de Espadarte, a 130 quilômetros da costa.

Cinco dias depois do acidente com um de seus FPSOs, Aa gigante japonesa Modec distribuiu uma nota. Não traz nada de novo e nem esclarece a informação do Sindicato de Petroleiros dizendo que o navio estaria adernado. Mas como é uma nota oficial, vamos reproduzir na íntegra:

“ A Modec  informa ter comunicado à Petrobras, na sexta-feira, 23/8, que, após inspeção nos tanques externos da embarcação, verificou a existência de trincas no casco do FPSO Cidade do Rio de Janeiro, no campo de Espadarte, na Bacia de Campos, a 130 quilômetros da costa. No fim de semana, foi identificado e recolhido 1,2 metro cúbico de óleo residual vazado da unidade. Nesta segunda-feira, 26/8, em novo sobrevoo, foi observada a presença de óleo no mar, com volume estimado em 6,6 metros cúbicos.

Sete embarcações já estão atuando no local para recolhimento e dispersão, além de quatro embarcações de apoio e um helicóptero, para sobrevoo. Foi constatado o aumento na extensão das trincas, desde o início da ocorrência, mas o navio continua em posicionamento estável e em condições seguras, sob monitoramento permanente da empresa e da Petrobrás.

O FPSO Cidade do Rio de Janeiro encontra-se fora de produção desde o ano passado e em processo de saída da locação do campo de Espadarte.”

 

1
Deixe seu comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Miguel Roca Calza Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Miguel Roca Calza
Visitante
Miguel Roca Calza

bom dia, informamos que temos uma tecnologia de Overley de Campo de ultima geração, que inclusive esta sendo utilizada em um PFSO da Petrobras, ficamos a disposiçao para eventuais esclarecimentos.
AZZ WSI