ASSOCIAÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA NUCLEAR PREVÊ NECESSIDADE GLOBAL DE EXPANDIR PRODUÇÃO DE URÂNIO | PetroNotícias





ASSOCIAÇÃO MUNDIAL DE ENERGIA NUCLEAR PREVÊ NECESSIDADE GLOBAL DE EXPANDIR PRODUÇÃO DE URÂNIO

saeUma boa oportunidade para o Brasil. O rápido crescimento da demanda de urânio levará à necessidade de urânio extra adicional no período até 2040 em todos os cenários apresentados na última edição do relatório de combustível da Associação Nuclear Mundial. As projeções para o crescimento da capacidade de geração nuclear foram revisadas para cima pela primeira vez em oito anos, após a introdução de políticas mais favoráveis em vários países. O Relatório sobre Combustível Nuclear “Cenários Globais de Disponibilidade de Demanda e Oferta 2019-2040” é o 19º de uma série de documentos publicados pela Associação Nuclear Mundial e sua organização predecessora, o Uranium Institute, em intervalos de aproximadamente dois anos desde 1975.

Lançado ontem (5), em Londres, no Simpósio da Associação Nuclear Mundial de 2019, ele inclui três cenários, designados Referência, Superior e Inferior.  Cobre uma gama de possibilidades para a energia nuclear até 2040. Também examina os principais problemas que provavelmente terão relevância continuada além daquele ano. A última edição do relatório foi fundamentalmente KKSKIAArepensada e redesenhada, disse Riaz Rizvi, diretor de estratégia e marketing da NAC Kazatomprom e co-presidente do Grupo de Trabalho sobre Relatórios de Combustível. Baseia-se em dados coletados a partir de questionários enviados a membros e não membros da Associação Nuclear Mundial, combinados com informações publicamente disponíveis e com o julgamento e a experiência dos membros dos grupos de trabalho da Associação: “O que é único neste relatório é que ele é essencialmente compilado pela indústria … os profissionais que realmente estão trabalhando e vivendo.”

A metodologia da demanda leva em consideração a economia nuclear, as políticas estaduais e outras questões, incluindo aceitação do público, redução das mudanças climáticas, estrutura do mercado de eletricidade e padrões regulatórios. O cenário de referência reflete essencialmente metas e planos oficiais anunciados por estados e empresas e um reconhecimento parcial da contribuição da nuclear para as mudanças climáticas, enquanto o cenário superior considera condições mais favoráveis em torno da economia e da aceitação do público e um reconhecimento mais forte da contribuição da nuclear para a redução das mudanças climáticas.

KSKAMKO cenário inferior supõe uma situação com deterioração do sentimento público, falta de apoio político e economia nuclear mais desafiadora. A capacidade mundial de geração nuclear de 398 GWe em 2018 deverá aumentar para 462 GWe em 2030 e 569 GWe em 2040 no cenário de Referência. No cenário Superior, os números são 537 GWe até 2030 e 776 GWe em 2040.

As principais razões para a tendência positiva nas projeções de capacidade nuclear são: a modificação da política energética da França para atrasar uma redução planejada da participação da energia nuclear e permitir a extensão da vida útil do reator para além de 40 anos; Ação legislativa dos EUA em nível estadual para apoiar a operação continuada de reatores ao mesmo tempo que o início de um processo pelos reguladores federais para permitir que os reatores operem por até 80 anos; os extensos planos de expansão nuclear da China e da Índia; e melhores perspectivas de novos reatores em países incluindo ‘países recém-chegados’, como Bangladesh, Egito e Turquia.

Os recursos mundiais conhecidos de urânio são “mais que adequados” para atender aos requisitos do reator até 2040 e além, embora a produção mundial tenha caído de 62.221 tU em 2016 para 53.498 tU em 2018. No entanto, o excesso de oferta e os baixos preços associados de urânio estão impedindo o investimento necessário para converter esses recursos em produção. “O mercado de urânio atualmente deprimido causou não apenas uma queda acentuada nas atividades de LDLSOexploração de urânio … mas também o corte da produção de urânio nas minas existentes”, observa o relatório.

Prevê-se que os volumes de produção de urânio permaneçam razoavelmente estáveis até o final da década de 2020 nos três cenários do relatório para a produção de urânio, desenvolvidos a partir de uma avaliação das capacidades atuais e futuras das minas. Eles diminuem acentuadamente durante o período 2035-2040, pois um quarto de todas as minas listadas no modelo atinge o fim de sua vida útil. A produção global de 66.400 tU em 2030 cai para 48.100 tU no cenário de referência; para o cenário superior, os números são 71.500 tU (2030) e 49.400 tU (2040). O retorno parcial de minas atualmente ociosas

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of