FRANÇA VAI FECHAR EM 2020 OS DOIS REATORES DE SUA USINA NUCLEAR MAIS ANTIGA

Fessenheim-NPP-(EDF)A concessionária francesa EDF solicitou o desligamento da unidade 1 de Fessenheim em 22 de fevereiro e da unidade 2 em 30 de junho do próximo ano, da usina nuclear mais antiga da França.  O anúncio confirma a declaração da Secretária de Estado para a Transição Ecológica e Solidária, Emmanuelle Wargon, que prometeu o fechamento para meados de 2020.  A empresa disse que a apresentação do pedido de descomissionamento ocorreu após a assinatura de um acordo de protocolo na sexta-feira (27)  entre o governo e a EDF. Nos termos deste acordo, o governo compensará a EDF pelo fechamento antecipado de Fessenheim.

O protocolo fornecerá dois elementos de compensação: uma porção inicial fixa e outra porção variável. A parcela fixa inicial – que deverá totalizar cerca de US$ 426 milhões, que cobrirá os custos previstos associados ao fechamento de Fessenheim. Isso incluirá custos como reciclagem de pessoal, desativação da usina, taxa básica de instalação nuclear e custos pós-operacionais. Pagamentos variáveis adicionais serão feitos para refletir o déficit de receita operacional da EDF até 2041 devido ao fechamento de Fessenheim. Isso será determinado com base nos preços de mercado e nos volumes de geração de 900 MWe da EDF, sem Fessenheim, conforme estabelecido durante esse período.

A EDF afirmou que, com essas disposições, foi possível racionalizar a redistribuição do pessoal da estação, dentro do escopo do acordo que assinou com os sindicatos em maio de 2018. “Gostaria de comemorar os esforços do pessoal de Fessenheim e do pessoal contratado, que continuaram a operar nossas instalações com segurança, mantendo níveis extremamente altos de desempenho”, disse Jean-Bernard Lévy, Presidente e CEO da EDF. “Asseguro novamente que a empresa os considera muito respeitosos e que eles continuarão recebendo todo o apoio da empresa durante o processo de reimplantação”.

De acordo com a Lei de Transição Energética da França para o Crescimento Verde, adotada em agosto de 2015, a capacidade de geração nuclear do país será limitada ao nível atual de 63,2 GWe, e a participação da geração nuclear na França será limitada a 50% até 2025. A energia nuclear é responsável por quase 75% da produção de eletricidade da França.

Embora não exija o desligamento de nenhum reator de energia em operação no momento, a política significa que a EDF precisaria fechar reatores mais antigos para disponibilizar novos. A concessionária está construindo uma unidade EPR 1650 MWe em Flamanville. Portanto, a EDF seria forçada a encerrar a capacidade equivalente – provavelmente os dois reatores em Fessenheim – para começar a operar a unidade de Flamanville.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of