ACORDO COLETIVO PERDE VALIDADE E PETROBRÁS INICIA TRANSIÇÃO PARA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA VIGENTE

petrobrasO imbróglio sobre o acordo coletivo de trabalho (ACT) da Petrobrás ganhou novos episódios. A estatal anunciou que vai iniciar a migração para a legislação trabalhista vigente, uma vez que o ACT perdeu sua validade no dia 30 de setembro. Conforme noticiamos, uma tentativa de acordo estava sendo costurada com a mediação do Tribunal Superior do Trabalho. Porém, como os petroleiros não chegaram ainda sobre um consenso sobre a proposta do TST, a estatal decidiu iniciar a transição.

Os representantes da companhia foram transparentes em relação a esta possibilidade, caso todos os esforços para se chegar a um ACT até o dia 30 de setembro fossem infrutíferos”, explicou a petroleira em comunicado ao mercado. Enquanto isso, do lado dos sindicatos, o pedido é que o prazo do ACT seja estendido até o dia 22 de outubro. Até lá, a Federação Única dos Petroleiros pretende realizar as assembleias para deliberar sobre a proposta apresentada pelo TST.

“Como é prática democrática da nossa entidade, vamos submeter sim, à apreciação da categoria, a proposta que foi feita pelo Tribunal Superior do Trabalho. Solicitamos também um prazo de 21 dias para a realização dessas assembleias”, declarou o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

apresentacao_jVh27M8uTbCom a transição para a legislação trabalhista, alguns benefícios serão extintos, como o adicional do Estado do Amazonas e a Gratificação de Campo Terrestre. O quadro ao lado, disponibilizado pela Petrobrás, traz um resumo das principais mudanças (clique nele para ampliar).

A Petrobrás disse também que decidiu disponibilizar a opção do Acordo Individual, prevista a partir da reforma trabalhista de 2017. “Segundo a lei, é elegível o empregado portador de diploma de nível superior e que perceba salário mensal igual ou superior a duas vezes o limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social. Ou seja, na Petrobras são elegíveis empregados com salário básico igual ou maior que R$ 11.678,90 (base atual) e que possuam diploma de nível superior”, detalhou a companhia.

As condições do Acordo Individual vigorarão até 31 de agosto de 2020. Elas são as seguintes:

– concessão de 70% de INPC (salarial, vale refeição/alimentação e benefícios);
– banco de horas e pagamentos das horas-extras com valores distintos;
– pagamento de 2/3 da gratificação de férias como abono;
– adiantamento do 13º salário conforme legislação;
– pagamento HETT em 50%, considerando 20 minutos;
– custeio da AMS: 2019 70×90; 2020 65×35;
– pagar feriado turno a 50%;
– fim do adicional do estado do Amazonas com redução gradual para quem tem;
– encerramento do Programa Jovem Universitário, mantendo para os atuais.

1
Deixe seu comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
JOÃO BATISTA DE ASSIS PEREIRA Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
JOÃO BATISTA DE ASSIS PEREIRA
Visitante
JOÃO BATISTA DE ASSIS PEREIRA

FALTA DE COERÊNCIA DA PETROBRAS DIFICULTA CELEBRAÇÃO DO ACORDO COLETIVO – PETROBRAS PRESSIONA PETROLEIROS COM CORTE DE BENEFÍCIO: A Petrobras tem pautado o dissídio de 2019 com incoerência nas suas propostas e em descompasso com a realidade da companhia em suas declarações falaciosas. O dissídio coletivo em curso na Petrobras de 2019 esta cada vez mais complexo e dificultoso diante das propostas formuladas pela estatal, principalmente aquelas voltadas a diminuição de benefícios, correção salariais abaixo dos índices oficias, em contraponto aos acenos a bonificações bilionárias a gestores do seu alto escalão. Essa política canhestra funciona com modus operandi às avessas… Read more »