LEONAM GUIMARÃES DEFENDE AMPLIAÇÃO DA ENERGIA NUCLEAR EM EVENTO SOBRE O CLIMA GLOBAL NA SEDE DA AIEA EM VIENA

fgddsO Presidente da Eletronuclear, Leonam Guimarães, foi único brasileiro a discursar  no  evento sobre a importância do uso da energia nuclear e seus efeitos sobre o clima global. Ele  falou esta manhã (9) na na sede da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), em Viena na Áustria. O evento está sendo realizada desde segunda-feira (7) e irá até a próxima sexta-feira, reunindo cerca de 550 participantes, representando 79 países e 18 organizações internacionais. Leonam abordou diversos aspectos sobre a energia nuclear no Brasil e no mundo. Ele defende a ampliação do uso da energia nuclear como forma de reduzir o efeito estufa no clima global. É um defensor do Projeto Harmony, que prevê a matriz energética mundial com 25% de origem nuclear.  O Petronotícias reproduz agora alguns dos principais trechos de sua palestra:

“A comparação dos custos de diferentes tecnologias de geração de energia tornou-se um dos principais argumentos utilizados pelos defensores de fontes específicas e por aqueles que procuram encontrar a melhor abordagem para planejar a expansão de sistemas elétricos. Quanto custa isso? Parece uma pergunta simples. No entanto, quando se trata de tecnologias concorrentes de geração de energia, é uma pergunta extremamente desafiadora. Os custos de geração incluem muitas variáveis: capital, combustível, localização, disposição de resíduos, impacto ambiental, interconexão, confiabilidade, intermitência e outros custos externos e sistêmicos. Não há duas tecnologias iguais.

 Os custos do sistema são geralmente divididos nas quatro categorias: 

  • Os custos do perfil se referem ao aumento no custo de geração do sistema elétrico geral em resposta à variabilidade da produção de energiadffffs renovável variável (VRE).
  • Os custos de balanceamento referem-se aos crescentes requisitos para garantir a estabilidade do sistema devido à incerteza na geração de energia (interrupções imprevistas da planta ou erros de previsão de geração).
  • Os custos de rede refletem o aumento nos custos de transmissão e distribuição devido à natureza distribuída e à restrição de localização das usinas de geração de VRE.
  • Os custos de conexão consistem nos custos de conexão de uma usina ao ponto de conexão mais próximo da rede de transmissão.

jkkkyhythOs custos externos são baseados na soma de três componentes: custos de danos causados pelas mudanças climáticas associados às emissões de gases de efeito estufa; custos de danos como impactos na saúde, culturas, etc. Durante décadas, os analistas propuseram uma abordagem que tenta integrar algumas das principais variáveis de custo das tecnologias de geração. É chamado de Custo Nivelado de Eletricidade (LCOE). A análise do LCOE  forneceu evidências sobre três pontos principais:

  • Apesar dos recentes projetos de alto custo nos países ocidentais, a maioria das novas usinas nucleares tem um custo nivelado de eletricidade comparável a qualquer outra fonte de geração.
  • O LCOE para VRE não levou em consideração os custos do sistema que os consumidores seriam obrigados a pagar, como atualizações de hjdhsjaarede para acomodar uma geração distante dos centros de consumo
  • A análise do LCOE não inclui externalidades ambientais e sociais, como disposição de resíduos, poluição do ar e do efeito estufa, recursos materiais e uso da terra;

 Há evidências claras de que, além da energia hidrelétrica com grandes reservatórios, a nuclear é a única tecnologia descartável de baixo carbono e é essencial obter um sistema elétrico descarbonizado. Ao considerar os fatos sobre os tipos de tecnologia; seus custos, incluindo custos externos e do sistema; aceitação do público; e, avaliando o potencial de preços mais altos da eletricidade, os formuladores de políticas poderiam criar as condições e regras do mercado para encontrar um caminho apropriado.

sssdddddNo entanto, existem outros assuntos importantes para os tomadores de decisão levarem em consideração:

  • O sistema deve desenvolver não apenas redes de transmissão e distribuição, mas também incorporar novas tecnologias que ainda não existem para acomodar as flutuações que a geração do VRE acarreta;
  • o uso de recursos materiais para gerar eletricidade é uma questão pouco analisada; é uma questão de energia e densidade de potência; Para atingir a mesma geração em GWh, o VRE precisa de cerca de três vezes mais capacidade do que qualquer fonte despachável e exigiria muita capacidade de armazenamento com um fator de carga limitado;
  • Outra questão a considerar é a aceitabilidade de um determinado cenário; enquanto a geração de energia nuclear existente é geralmente bem aceita, a nova energia nuclear pode ser um desafio;

O sistema elétrico brasileiro é único por sua contribuição extremamente alta de fontes renováveis, graças ao uso intenso de um enorme potencial hidrelétrico. A partir de 2018, as energias renováveis representavam 85% da capacidade instalada. As hidrelétricas são responsáveispor 64% e as oflfldkjdspequenas hidrelétricas, eólica e solar e biomassa, por 22%. O termopoder fornece 14% restantes (incluindo 2% nuclear).

As novas energias renováveistêm vantagens competitivas únicas no Brasil por duas complementaridades: eólica-hídrica (alto vento na estação seca) e eólica-solar (alto vento) em locais de alta insolação).  Essa estratégia de diversificação de fontes também pode ser observada em muitos outros países. Os casos canadenses e brasileiros despertam um interesse particular devido ao ponto de partida: uma grande contribuição das hidrelétricas.

A energia nuclear terá um papel fundamental nas estratégias de diversificação das transições de energia que atingem os sistemas descarbonizados. Embora produza grandes quantidades de energia despachada e com baixo teor de carbono, enfrenta questões de aceitação pública em muitos países. No entanto, a energia nuclear continua sendo uma opção economicamente viável para atender a severas restrições de carbono, apesar dos desafios econômicos para alguns novos projetos de reatores.

dwdsaswsA vantagem de custo da energia nuclear não está nos custos em nível de usina, embora sejam bastante competitivos. Ela reside em seus benefícios gerais para o sistema elétrico. Todos esses fatores devem entrar em jogo nas decisões de cada país. Os mercados de eletricidade estão evoluindo e a energia nuclear está acompanhando essa evolução para atender a requisitos futuros: O desenvolvimento de reatores modulares pequenos (SMR) é uma resposta promissora. A energia nuclear está bem posicionada para enfrentar esses desafios de modo colaborativo, trabalhando em conjunto com todas as outras formas de geração de baixo carbono para atingir os ambiciosos objetivos de descarbonização que muitos países estabeleceram para si mesmos. A energia nuclear é um parceiro confiável.   Uma complementaridade técnica pode ser alcançada através do desenvolvimento de uma maior flexibilidade na operação do reator, a fim de minimizar a produção de energia variável.  Uma complementaridade sistêmica poderia ser alcançada por meio de tecnologias inovadoras em áreas como cogeração, produção de calor e hidrogênio, gerenciamento de demanda ou interconexão de redes elétricas ultra grandes. Por fim, mas não menos importante, uma complementaridade estratégica para a construção do futuro mix de energia descarbonizada.”

1
Deixe seu comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
0 Comment authors
Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
trackback

[…] LEIA A MATÉRIA COMPLETA NO NOSSO SITE. […]