CONFERÊNCIA DA AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA QUER SER MAIS AMBICIOSA PARA CUMPRIR METAS CLIMÁTICAS

sdsssDurante uma semana representantes de mais de 150 países ficaram debatendo a importância do uso da energia nuclear e seus efeitos benéficos para reduzir o nível de emissão de CO2 e melhorar o clima no planeta. Eles estiveram reunidos na sede da Agência Internacional de Energia Atômica(AIEA), em Viena, na Áustria, em cooperação com a Agência de Energia Nuclear (NEA) da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Como as emissões globais de dióxido de carbono (CO2) continuam a aumentar acentuadamente, apesar do uso crescente de fontes renováveis, o setor de energia nuclear está buscando  inovações no horizonte, em uma tentativa de reduzir tempo,  custos de construção e acelerar o crescimento global.

Mas o valor total da energia nuclear – a única fonte de energia junto com a energia hidrelétrica que demonstrou a capacidade de descarbonizar o suprimento de eletricidade em escala global,  precisa ser totalmente reconhecido para que o mundo resolva seu enigma climático. O diretor-geral da AIEA,  Cornel Feruta(foto a direita)), em suas considerações finais à conferência, disse que “A principal mensagem da conferência é a seguinte: para cumprir as metas climáticas acordadas pelas DFFDSSnações do mundo, precisamos ser muito mais ambiciosos.

Vários projetos nucleares de nova construção na Europa e nos Estados Unidos sofreram atrasos de alto perfil na construção e excedem os custos, levando a críticas de que a energia nuclear de baixo carbono lutará para ajudar a combater as mudanças climáticas. No entanto, em muitos países, novos projetos de energia nuclear estão sendo entregues principalmente dentro do prazo e do orçamento, inclusive na Bielorrússia, China, Coreia e Rússia.

“A grande maioria dos projetos de novas construções em todo o mundo está oferecendo programas nucleares bem-sucedidos e de custo muito baixo, alcançados por meio de repetições, uma abordagem programática e o desenvolvimento de habilidades e capacidades dentro da cadeia de suprimentos, força de trabalho e equipe de liderança do projeto”, disse Kirsten FFFDDDDGogan(fotoa esquerda), co-fundador e diretor executivo de Energia para a Humanidade, uma organização sem fins lucrativos focada em resolver as mudanças climáticas por meio do acesso a serviços modernos de energia. “Isso é realmente o que reduzirá o custo“.

De acordo com dados compilados pela AIEA nos 61 novos reatores de energia conectados à rede na última década, as unidades no Extremo Oriente foram construídas quase duas vezes mais rápido que as da Europa, levando em média 66 meses contra 110 meses. Os dados excluem um punhado de projetos atrasados devido a razões políticas e não tecnológicas.

Jessica Lovering( foto a direita), ex-diretora de energia do Breakthrough Institute, uma organização sem fins lucrativos com sede nos Estados Unidos, disse que a chave para reduzir os custos e os tempos de construção é alcançar altas taxas de aprendizado repetindo projetos usando projetos padronizados: “Se você olhar para a Coréia do Sul hoje, seus custos e tempos de construção estão diminuindoFFDDDSA gradualmente, para que possam construir uma planta em três a quatro anos. A indústria precisa deixar de se concentrar amplamente em projetos pontuais. Temos que passar do projeto para o produto. A implantação de pequenos, médios ou modulares reatores (SMRs) mudará a abordagem do setor. As SMRs, que serão parcialmente construídas em fábricas, reduzirão os custos e transformarão a implantação de energia nuclear em um setor normal, onde você passa de projetos onde cada um é diferente de uma abordagem de produto.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of