ACORDO PARA O USO COMERCIAL DA BASE DE ALCÂNTARA VAI TRAZER BOAS RECEITAS PARA O BRASIL

xssaao Acordo de Salvaguardas Tecnológicos (AST) que permite o uso comercial da Base de Alcântara, no Maranhão, já aprovado pela Câmara Federal, abre novas e boas perspectivas de inserção do Brasil no mercado internacional de lançamento de foguetes. A avaliação é do próprio presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Carlos Moura. Segundo ele, a proposta retoma a ideia original da década de 1980, quando Alcântara foi escolhida para ser o principal centro de lançamento brasileiro. “O plano diretor já previa que nós teríamos espaço para o nosso programa espacial interno autônomo e para outras aplicações que poderiam ser utilizadas por programas mais avançados.  O acordo de cooperação entre Brasil e Estados Unidos  prevê que a base espacial seja explorada pelo país norte-americano e países que utilizem tecnologia americana. Com isso, o Brasil receberá uma compensação financeira pelo uso do espaço. O interesse americano se dá por conta da localização privilegiada, na Linha do Equador, que reduz o consumo de combustível e tornando os lançamentos de foguetes mais baratos.

A estimativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MTIC) indica que, nos últimos 20 anos, o Brasil perdeu aproximadamente R$ 15 bilhões por não ter fechado acordo comercial da Base de Alcântara. O valor se refere aos lançamentos que não foram realizados pelo país, levando em conta apenas 5% dos eventos ocorridos no mundo todo neste período. “Se o país tem um espaço tão importante quanto Alcântara, temos que fazer o melhor uso possível sssaadaquilo e aproveitar todos os recursos que já investimos naquela região”, completou Moura.

Para o presidente da Agência Espacial Brasileira, a expertise dos norte-americanos pode render bons frutos ao setor aeroespacial brasileiro. “É uma vantagem para nós que vai nos permitir fazer negócios externamente e favorecer todo o desenvolvimento de um mercado espacial no Brasil, mas que também tenha presença internacionalmente, como é o caso da nossa indústria aeronáutica”, comparou. Em 2002, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez uma proposta de acordo para exploração do centro espacial. Uma das principais críticas feitas à época e que ainda reverbera no projeto atual é que isso retiraria a soberania brasileira sobre o local.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of