SECRETÁRIO GERAL DA ONU DIZ NA ABERTURA DA COP25 QUE O SER HUMANO ESTÁ EM GUERRA CONTRA A NATUREZA

DCDCCO secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, descreveu  o comportamento humano atual como uma “guerra contra a natureza” e alertou que, até agora, os esforços da comunidade internacional para alcançar as metas descritas pelo Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas foram “totalmente inadequados”. Guterres conversou com os repórteres na abertura da vigésima quinta sessão da Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, ou COP25, que ocorrerá em Madri pelas próximas duas semanas. De acordo com o IPCC, os países precisariam limitar o aumento da temperatura global a 1,5 graus Celsius, alcançar a neutralidade de carbono em 2050 e reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 45% em relação aos níveis de 2010 até 2030, a fim de manter a mudança climática dentro de limites administráveis.

Guterres disse que: Desastres naturais relacionados ao clima estão se tornando mais frequentes, mais mortais, mais destrutivos, com crescentes custos humanos e financeiros. A seca em algumas partes do mundo está progredindo a taxas alarmantes, destruindo habitats humanos e colocando em risco a segurança alimentar. Todos os anos, a poluição do ar, associada à mudança climática, mata sete milhões de pessoas. A mudança climática se tornou uma ameaça dramática à saúde e à segurança humana. Hoje, o mundo está destinado a produzir 120% mais combustíveis fósseis do que é consistente com um caminho de 1,5 graus. E, para o carvão, esse número é de 280%. Mas a comunidade científica também está nos dizendo que o roteiro para permanecer abaixo de 1,5 graus ainda está ao alcance”.

Espera-se que a COP25 chegue a um acordo, disse ele, sobre as diretrizes para a implementação do artigo 6 do Acordo de Paris, que permite às Partes cooperar na implementação de suas contribuições determinadas nacionalmente para a redução de emissões. Isso não foi alcançado na COP24 no ano passado em Katowice, na Polônia, disse ele. Os países apresentarão planos nacionais de ação climática revisados no final do próximo ano, e  “é crucial garantir compromissos nacionais mais ambiciosos para começar imediatamente a reduzir as emissões de gases de efeito estufa em um ritmo consistente para alcançar a neutralidade de carbono até 2050”.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of