Megabanner

MENSAGENS DE RICARDO PESSOA INDICAM USO DE RECURSOS DA PETROBRÁS EM DOAÇÕES À CAMPANHA DE DILMA

Ricardo Pessoa, presidente da UTCAs investigações da Operação Lava-Jato seguem colocando em foco as doações milionárias efetuadas pela UTC a campanhas eleitorais ao longo dos últimos anos. Desta vez, a Polícia Federal vem analisando mensagens de celular enviadas pelo dono da empreiteira, Ricardo Pessoa (foto), indicando que os valores repassados à campanha presidencial de Dilma Rousseff teriam origem em contratos da companhia com a Petrobrás. As mensagens foram enviadas em julho de 2014 a um outro executivo da empresa, e apontam, segundo análise da PF, para a utilização de recursos desviados na doação de R$ 7,5 milhões efetuada pela construtora.

Trechos emitidos pelo executivo indicam que foi feito um resgate de valores obtidos de forma ilícita em contratos com a estatal. Na troca de informações com Pessoa, o funcionário da empresa relaciona a execução dos repasses à entrada de valores advindos da Petrobrás, representada por meio da sigla “PB”. As doações da UTC registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foram feitas em três parcelas de R$ 2,5 milhões.

De acordo com a PF, as mensagens também apontam que o chefe de gabinete de Edinho Silva, Manoel Araújo Sobrinho, seria o elo entre as duas partes envolvidas na negociação. Tesoureiro da campanha à reeleição de Dilma, Edinho Silva é o atual chefe da Secretaria de Comunicação Social e vem sendo investigado em inquérito aberto neste mês pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

1
Deixe seu comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
biffy Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
biffy
Visitante
biffy

… Senhores, é muita energia e esforço, em uma investigação em que se formos colocar todos os nomes citados e condenados na cadeia, a lei preliminar da física não permite… Faltará tempo e espaço… O DNA prevalecerá em muitas outras gerações e o mundo nunca viu tal organização, nem nos tempos de Al Capone.