Megabanner

PETROBRÁS ENFRENTA RESISTÊNCIA NA VENDA DE CAMPOS DO PRÉ-SAL PARA A TOTAL

Pedro Parente e Patrick PouyanneA Petrobrás está prestes a entregar áreas próximas ao que internamente na empresa chamam de “joia da coroa” para a gigante francesa Total. As duas empresas negociam a venda de participações na zona mais cobiçada do pré-sal, onde ficam os campos gigantes de Lula e Sapinhoá, de larga produção de petróleo. A Justificativa da estatal brasileira é fazer caixa e reduzir o nível de endividamento da companhia. Tudo deverá estar sacramentado no próximo mês. A venda  de grandes reservas da companhia tem recebido forte pressão internamente pelos funcionários de carreira influentes que não aderiram ao plano de demissão e nem foram demitidos, que defendem que está havendo uma espécie de “privatização branca” da estatal. O objetivo é a Petrobrás obter US$ 15,1 bilhões com a venda de ativos.

Podem entrar no pacote dos franceses os campos de Iara, Berbigão, Sururu e Oeste de Atapu (situados no bloco BMS-11, onde está Lula) e também o campo Lapa (no BMS-9, vizinho a Sapinhoá). A expectativa é que haja disputa entre a Total e a Shell pelos campos que estão no bloco BMS-11. A Shell e a portuguesa Galp já são sócias da Petrobrás nesse bloco e teriam direito de preferência para cobrir a proposta feita pela Total.

A Associação de Engenheiros da Petrobrás, instituição de concentra uma fortíssima resistência aos planos de desinvestimento que está sendo colocado em prática desde a gestão Bendine e que foi acelerada na gestão Parente, tem feito críticas contundentes a  essas iniciativas da atual diretoria. Principalmente em relação ao desejo permanente de quebrar as regras de conteúdo local, levando para o exterior as poucas obras que a estatal se vê obrigada a fazer para manter o nível de produção de petróleo e gás.

O presidente da associação de engenheiros, Felipe Coutinho, considera um equívoco a venda de ativos importantes da empresa, principalmente os campos de produção de petróleo. Para ele, é quase um dogma da nova diretoria o esforço que está sendo feito nas ações de venda de importantes ativos da companhia:

“Nós temos um estudo que demonstra claramente que a Petrobrás não precisa vender essas empresas e os campos de petróleo para reduzir sua dívida. A companhia não está quebrada e é bastante rentável. A pressa em antecipar para 2018 a redução da dívida não é coerente. Constantemente fazemos gestões à diretoria da Petrobrás, que não se abre claramente para discutir e aproveitar a nossa experiência para ouvir o que temos a propor, a dizer. Trata-se de um erro vender ativos tão importantes.”

A negociação em curso faz parte de um acordo que foi anunciado pelas duas empresas durante a  realização da Rio Oil&Gas 2016, em outubro, no Riocentro. Os  presidentes das duas companhias, Pedro Parente e Patrick Pouyanné, estiveram reunidos para acertar os últimos detalhes. No acordo, deverão ser incluídas ainda as vendas de duas usinas térmicas e o aluguel de um terminal de gaseificação na Bahia. Até agora, a Petrobrás conseguiu US$ 10,7 bilhões ao se desfazer de empresas na Argentina e no Chile, ativos de distribuição e transporte de gás, a distribuidora Liquigás e o campo de Carcará. Além disso, a estatal vem negociando com a australiana Karoon Gas a venda dos campos de Bauna, que produz 45 mil barris por dia, e de Tartaruga Verde, que também é outra grande promessa do portfólio da companhia. A negociação, no entanto, foi suspensa pela justiça esta semana, após o Sindicato dos Petroleiros de Sergipe e alagoas entrar com uma liminar.

Já os campos em negociação com a Total ficam nos blocos BMS-9 e BMS-11, na Bacia de Santos. Lula e Sapinhoá não vão entrar diretamente no negócio, mas a infraestrutura montada nesses campos para escoamento de gás natural pode ser compartilhada, reduzindo os custos de novos investimentos. Lula é o campo com maior produção do país, com 639,7 mil barris por dia, seguido por Sapinhoá, com 264 mil barris por dia. 

Procurada pelo Petronotícias, a Petrobrás respondeu de forma enigmática. Não disse nem que sim, nem que não. Mas por não ser taxativa, dá margem a se acreditar que realmente em dezembro a notícia da venda será anunciada:

“A Petrobrás só comunica sobre venda de ativos via Fato Relevante divulgado ao mercado, e não emitiu nenhum comunicado sobre esse assunto.”

A Total também foi procurada via assessoria de imprensa, mas não se manifestou até a publicação desta reportagem.

1
Deixe seu comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Luciano Seixas Chagas Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luciano Seixas Chagas
Visitante
Luciano Seixas Chagas

Senhores, Concordo inteiramente com as posições da AEPET, que junto com a Febrageo (geólogos) e Federações de Engenheiros chamam tais vendas de crime de Lesa-Pátria e acionam a Justiça com tal desmonte insano da grande empresa brasileira. Por exemplo, ao olharmos os novos ativos a serem vendidos para a Total, e nos concentrarmos na acumulação de Iara, vejamos o descalabro: Apesar de ser uma acumulação do Pré-Sal, a descoberta em Iara é completamente diferente da de Lula (ex Tupi). Nela não existem os carbonatos microbiais ou seja, os situados logo abaixo do sal. Aí estes foram removidos, por um processo… Read more »