BOMBARDEIOS PRÓXIMOS À MAIOR CENTRAL NUCLEAR NA UCRÂNIA REACENDEM AS PREOCUPAÇÕES DA AGÊNCIA ATÔMICA INTERNACIONAL | Petronotícias





BOMBARDEIOS PRÓXIMOS À MAIOR CENTRAL NUCLEAR NA UCRÂNIA REACENDEM AS PREOCUPAÇÕES DA AGÊNCIA ATÔMICA INTERNACIONAL

grossiA Central Nuclear Zaporizhzhya da Ucrânia (ZNPP), a maior da Europa, teve uma perda temporária de sua única linha de energia de backup, devido aos intensos bombardeios na região. E de acordo com o Diretor Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Mariano Grossi, os ataques reacenderam novamente os riscos à segurança nuclear durante o conflito militar no país. Grossi expressou sua  preocupação com os atrasos contínuos na rotação da equipe de especialistas da AIEA,  atualmente atuando na central nuclear. Ela deveria ter sido substituída por uma nova equipe há mais de três semanas. O diretor da agência disse esperar que o rodízio finalmente ocorra ainda esta semana e renovou seu apelo por esforços construtivos de todas as partes envolvidas para que isso aconteça, dizendo que o importante trabalho de segurança e proteção nuclear da Missão de Apoio e Assistência da AIEA a Zaporizhzhya é de interesse de todos.

Os peritos da AIEA, que já se encontram na central nuclear ucraniana desde o início de janeiro, informaram ao quartel-general que cerca de 20 detonações foram ouvidasbombardeio ontem (28) à tarde, aparentemente nas imediações da central, que está  na linha de frente de uma zona de combate ativo. “Esta é uma tendência preocupante que mostra a urgência e a importância de estabelecer uma zona de segurança e proteção nuclear na Usina Nuclear de Zaporizhzhya”, disse Grossi, enfatizando que continua seus esforços diplomáticos para acordar e implementar a zona o mais rápido possível. A linha de energia de backup de 330 quilovolts (kV) da usina foi desconectada no início do sábado(26/2), após o som de atividade militar mais distante, depois restaurada brevemente, mas perdida novamente na mesma manhã, disse a equipe da AIEA. A desconexão ocorreu a alguma distância da usina, do outro lado do usinario Dnipro. A linha de energia foi reconectada apenas na tarde de domingo(27/2).

O diretor-geral Grossi disse que era outro lembrete da frágil situação de energia externa para a central, que atualmente recebe a eletricidade externa necessária para a segurança e proteção nuclear da única linha de energia fora do local operacional restante de 750 kV, das quatro que conectavam o site à rede antes do início do conflito, há um ano. Em uma nota mais tranquilizadora, Rafael Grossi disse que o nível de água no reservatório principal, que faz parte do rio Dnipro, que fornece água de resfriamento para a central nuclear, estabilizou nas últimas semanas. As cinco equipes da agência continuam revisando a segurança nuclear e a situação de proteção em todos os locais contra os Sete Pilares Indispensáveis da AIEA para garantir a segurança e proteção nuclear durante um conflito armado e para apoiar a identificação de mais assistência às instalações nucleares.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of