Megabanner

BRASIL PERDEU HOJE UM DOS MAIS BRILHANTES JORNALISTAS DE SUA HISTÓRIA

wswswsHoje o Petronotícias pede licença aos seus leitores para noticiar e, ao mesmo tempo, fazer uma homenagem  justíssima a um dos maiores jornalistas que o país já teve: Luís Edgar de Andrade. Ele morreu no final da tarde desta quarta-feira (29) na Casa Saúde São José, no Rio de Janeiro, onde estava internado cuidando de uma pneumonia. Luís Edgar, que nasceu em Fortaleza,  tinha acabado de completar 89 anos no dia 17.  Deixa a esposa, Tereza, e duas filhas. Sua trajetória no jornalismo foi simplesmente espetacular. Ex-corresponde de guerra, viveu intensamente sua profissão e deixou um legado para o jornalismo do nosso país que merece ser um exemplo para toda uma geração.

Edgard formou-se em filosofia e em direito pela Universidade Federal do Ceará. Nos anos 1950, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde se tornou repórter da revista O Cruzeiro e trabalhou ao lado de David Nasser e do fotógrafo Jean Manzon, entre outros grandes nomes do jornalismo. Trabalhou na Tribuna da Imprensa, com Carlos Lacerda,  na  Última Hora e em O Estado de S.Paulo, além das revistas O Cruzeiro, Realidade e Exame. Venceu o Prêmio Esso em 1969, com a reportagem “Psicanálise: Remédio ou Vício?”

Por muitos anos foi correspondente do Jornal do Brasil na Europa. Passou o ano de 1968  no sudeste da Ásia como correspondente na guerra do Vietnã, experiência que utilizou no romance Bao Chi, Bao Chi, publicado em 2002, enviando reportagens exclusivas para o Correio da Manhã e revista Fatos e Fotos. Ele fez parte da primeira equipe que criou ao lado de Armando Nogueira e Alice Maria o Jornal Nacional, de onde saiu para integrar a equipe de jornalismo da Rede Manchete, onde foi o Diretor de Redação da emissora. Quando a empresa aqqaqaafechou, foi convidado para ser o gerente de programas jornalísticos da TVE, no Rio de Janeiro.

Recentemente foi um dos personagens do livro do jornalista Aziz Ahmed, Memórias da Imprensa Escrita, que reúne depoimentos de personalidades do jornalismo brasileiro. Neste livro,  Luís Edgar conta algumas de suas histórias. A mais famosa delas é a de que o ex-presidente francês, Charles De Gaulle, teria dito para ele que o Brasil não era um país sério.  Histórias contadas transformadas em verdades  incontestáveis. A frase foi repetida 24 horas por dia nas páginas dos jornais ou nos programas de tevê durante a chamada Guerra da Lagosta, 1965.  Mas Aziz, em conversa com  Luiz Edgar, desmistificou a frase e  resgatou a verdade dessa história revelada por Edgar:   um caso clássico de transformação de um conto aumentado e mal interpretado: “Foi a maior fake news da história da imprensa brasileira”. De Gaulle jamais disse isso para Luís Edgar.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of