DE OLHO NO MERCADO BRASILEIRO DE BIOCOMBUSTÍVEIS, INDORAMA VENTURES LANÇA PRODUTO PARA OTIMIZAR PRODUÇÃO DE ETANOL | Petronotícias





DE OLHO NO MERCADO BRASILEIRO DE BIOCOMBUSTÍVEIS, INDORAMA VENTURES LANÇA PRODUTO PARA OTIMIZAR PRODUÇÃO DE ETANOL

Rafael-Ungarato (1)Com a produção de etanol enfrentando desafios significativos devido à previsão de uma redução de 3,8% na safra de cana-de-açúcar para 2024/2025, a Indorama Ventures aposta em inovação para ajudar a manter a competitividade do setor. Em entrevista ao Petronotícias, o gerente TS&D e Inovação para Energy & Resources da empresa, Rafael Ungarato, compartilha as estratégias e expectativas da Indorama e conta como uma nova linha de poliglicóis pode ser importante para a indústria de biocombustíveis no Brasil. “Nosso entendimento é de que o mercado tem buscado cada vez mais por alternativas mais eficazes, que possam gerar um maior controle de espuma com redução no consumo de produtos químicos, tanto de dispersantes quanto antiespumantes”, avaliou. Ungarato explica ainda como os poliglicóis são usados na otimização dos processos fermentativos, destacando os benefícios da nova linha de produtos para o controle de espuma e a eficiência operacional das usinas. “Torna-se cada vez mais importante a utilização de poliglicóis de alto desempenho para otimizar a produção do etanol, que vem se destacando tanto no cenário nacional quanto mundial como um combustível renovável e sustentável”, acrescentou. 

Para começar a entrevista, poderia comentar como estão as previsões futuras sobre a produção de etanol?

etanolDe acordo com projeções divulgadas recentemente pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra brasileira de cana-de-açúcar 2024/2025 deverá atingir 685,86 milhões de toneladas, uma redução de 3,8% em relação à anterior. Entre os fatores apontados, estão os baixos índices pluviométricos, aliados às altas temperaturas registradas na Região Centro-Sul.

Com isso, a produção de etanol proveniente da cana deverá sofrer uma redução de 8%. Dentro dessa perspectiva, torna-se cada vez mais importante a utilização de poliglicóis de alto desempenho para otimizar a produção do etanol, que vem se destacando tanto no cenário nacional quanto mundial como um combustível renovável e sustentável.  

Por que o uso desses poliglicóis é tão importante para a produção do etanol?

Para a produção de etanol, é indispensável o uso de leveduras responsáveis por converter o açúcar em etanol e gás carbônico. Essa liberação de gás carbônico associada à presença de proteínas e outros contaminantes é responsável pela formação e estabilização da espuma nos sistemas fermentativos. A fim de evitar a espumação excessiva, uma mistura de leveduras em água é tratada em pequenos tanques chamados de cubas, utilizando-se alguns produtos químicos. Destaca-se, nesta etapa, o uso de ácido sulfúrico, com objetivo principal de eliminar a presença de bactérias, e a adição de poliglicóis para evitar a formação de espuma no processo de fermentação alcoólica, que ocorrerá posteriormente nas dornas (tanques de fermentação).

Para essa finalidade, a Indorama Ventures possui a linha de poliglicóis SURFCANE, utilizada tanto como dispersante quanto em formulações antiespumantes, garantindo o controle de espuma efetivo ao longo de todo o processo.

Como se dá a interação do poliglicóis nesse processo?

Etanol de 2ª geraçãoA levedura tratada na cuba e já com adição de poliglicóis é então encaminhada para as dornas onde o caldo é adicionado de maneira gradual. Durante esta fase, já se inicia o processo de fermentação alcoólica em que as leveduras transformam a sacarose em etanol e gás carbônico. É nessa etapa que os poliglicóis atuam evitando a formação da espuma. Porém, com o passar do tempo e o aumento na quantidade de álcool no meio, o uso de outros químicos para combater a formação de espuma se faz necessário. Para isso, são adicionadas formulações antiespumantes, produzidas a partir de misturas complexas de poliglicóis, óleos, solventes e outros aditivos.

Vale destacar que, em alguns casos, a coluna de espuma formada durante a fermentação pode chegar a ocupar até 50% do volume da dorna. Assim, o controle efetivo de espuma faz com que seja possível aumentar sua capacidade de ocupação com caldo, e consequentemente, ter uma maior produção de etanol para um mesmo volume de tanque. Após o final da fermentação, o teor de etanol na dorna é de aproximadamente 10% e está em uma mistura de levedura e água, principalmente.

Qual o resultado do uso do uso de poliglicóis na produção de etanol?

dc-Cover-qevoblsqahgp24shc6v5tgi512-20190822012915.MediO uso dos poliglicóis é indispensável para que se possa produzir etanol. Durante o processo fermentativo, a formação de espuma é intrínseca ao processo, ou seja, o uso desses produtos garante que a produção de etanol seja possível. Essa é uma etapa crítica, pois está diretamente relacionada à eficiência de operação das usinas, tanto no que diz respeito a evitar a formação excessiva de espumas e assim ocupar grandes volumes das dornas de fermentação quanto evitar perda de material por derramamentos. Por isso, o uso de poliglicois de qualidade é tão importante na produção de etanol.

Como está a expectativa da Indorama Ventures em relação ao uso de poliglicóis pela indústria brasileira de biocombustíveis?

Como mencionamos acima, a formação de espuma é intrínseca ao processo de fermentação e consecutivamente à produção de etanol. Assim, quanto maior a produção de etanol de cana-de-açúcar, maior deve ser o consumo de poliglicóis para garantir o controle efetivo da espuma formada. Nosso entendimento é de que o mercado tem buscado cada vez mais por alternativas mais eficazes, que possam gerar um maior controle de espuma com redução no consumo de produtos químicos, tanto de dispersantes quanto antiespumantes. Para isso, lançamos recentemente a linha de poliglicóis SURFCANE AF, que é uma iniciativa de endereçar essa busca por produtos cada vez melhores e com maior custo-benefício.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of