MARINHA CONTRATA ESTALEIRO PARA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO NAVIO PARA EXPLORAÇÃO DA ANTÁRTICA | Petronotícias





MARINHA CONTRATA ESTALEIRO PARA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO NAVIO PARA EXPLORAÇÃO DA ANTÁRTICA

marinhaA Sembcorp Marine, através de suas subsidiárias integrais, Estaleiro Jurong Aracruz  e Sembcorp Marine Specialized Shipbuilding e a constituição da Sociedade de Propósito Específico Polar 1 Construção Naval, venceu um Contrato em EPC de cerca de US$ 150 milhões da EMGEPRON, empresa estatal ligada ao Ministério da Defesa no Brasil, para a construção de um navio de apoio para a Marinha do Brasil. O contrato de Engenharia, Contratação e Construção envolve esta nova embarcação, o NApAnt, para implantação de pesquisas científicas na Antártica. Medindo 93,9 metros de comprimento, 18,5 metros de largura e pesando cerca de 5,88 toneladas métricas com um calado de seis metros, o NApAnt é construído de acordo com os padrões de campo de gelo de navegação, classificado como P-6.

O projeto será executado através do estaleiro EJA no Brasil para cumprir a exigência de conteúdo local, ao mesmo tempo em que utiliza os recursos combinados danavio rede global Sembcorp Marine, incluindo o amplo conhecimento e experiência da SMSS no projeto e construção de embarcações especializadas e de alto desempenho. A construção do novo navio começará em 2022, com conclusão prevista para o terceiro trimestre de 2025. Após a conclusão, o NApAnt substituirá o navio de apoio oceânico (NApOc) Ary Rongel, que está chegando ao fim de seu ciclo de vida. Espera-se que a embarcação agregue uma nova dimensão operativa ao Programa Antártico Brasileiro.

Guhan Thangavelu, presidente do EJA, disse: “Somos gratos à EMGEPRON e à Marinha do Brasil por escolherem o EJA e a Sembcorp Marine e pela confiança em nossos projetos comprovados e experiências passadas. Este é um projeto estratégico para o estaleiro, permitindo que o EJA alavanque o conhecimento de domínio do Grupo, capacidades EJAespecializadas em EPC e integração de projetos, bem como as capacidades do EJA para realizar soluções para Navios Classe Polar”.

William Goh, presidente do Conselho Administrativo do EJA e Diretor Financeiro da Sembcorp Marine, afirmou que “a empresa está satisfeita que sua proposta atendeu aos critérios-chave do projeto de desempenho e especificação da embarcação; modelo financeiro de negócios robusto; metodologia de construção rigorosa; incluindo gerenciamento detalhado do ciclo de vida e suporte logístico integrado”. O executivo ainda acrescentou que a companhia tem “o privilégio de apoiar o programa oceanográfico e científico da Marinha do Brasil na Antártida por meio deste projeto”.

O Almirante de Esquadra José Augusto Vieira da Cunha de Menezes (foto principal), Diretor-Geral do Material da Marinha disse que  “aedesio obtenção do novo Navio de Apoio Antártico pela Marinha do Brasil é de relevância estratégica para o País, proporcionando assim a manutenção da presença brasileira no continente Antártico e a continuidade das pesquisas científicas que vêm sendo realizadas na Estação Antártica Comandante Ferraz”. Por fim, o Vice-Almirante Edésio Teixeira Lima Junior (foto à esquerda), Diretor da EMGEPRON, adicionou que “é uma honra para a Empresa Gerencial de Projetos Navais participar, em parceria com a Marinha do Brasil e a POLAR 1 CONSTRUÇÃO NAVAL SPE LTDA, de tão importante empreitada, que proporcionará à indústria naval brasileira ingressar no restrito círculo daquelas capazes de construir navios com capacidade de operar nas gélidas regiões polares”.

 

2
Deixe seu comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Gedson Levi dos santosCleber Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Cleber
Visitante
Cleber

É inacreditável que até a marinha odeia o Rio de Janeiro, com tantos estaleiros no Rio, será que não tem um que possa construir esse navio. Não sou contra o Espírito Santo construir, mas com tantos estaleiros no Rio que não acaba mais, sempre deixam o Rio de fora. Nas corvetas foi a mesma coisa, foi pra Santa Catarina, não sou contra, mas poderiam dividir a construção pelo número de corvetas. Muito bem marinha, você sabe o que faz.

Gedson Levi dos santos
Visitante
Gedson Levi dos santos

Dois estaleiros em Pernambuco e sem obras falta de política públicas, o setor naval em alguns estados aos poucos morrendo triste realidade,um estaleiro atlântico sul com alta tecnologia e profissionais parado por falta de obras só o PT pra por esses estaleiros pra roda novamente