MUDANÇA NO PLANO DE SAÚDE PARA FUNCIONÁRIOS, APOSENTADOS E PENSIONISTAS DA PETROBRÁS PROVOCA POLÊMICA

Roberto-Castello-Branco-Petrobras-868x644Defendida pelo presidente da companhia, Roberto Castello Branco, o Conselho de Administração da Petrobrás aprovou a mudança do sistema de saúde dos empregados, aposentados e pensionistas da Petrobrás, conhecido como AMS (Assistência Multidisciplinar de Saúde). A mudança causou insatisfação nos funcionários e está assustando os aposentados e pensionistas da companhia. Nem a representação do Ministério Público Federal contra a decisão da Diretoria Executiva da Petrobrás de mudar o modelo de gestão do plano de saúde da Estatal e subsidiárias, fez a empresa recuar.

Para conhecer melhor, a Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) é um benefício de assistência suplementar de saúde, sem fins lucrativos, de natureza assistencial, criado e instituído desde 1975, através de Acordo Coletivo de Trabalho pactuado entre a Petrobrás e  as entidades sindicais representantes dos empregados. A Petrobrás mantém um  registro como Operadora de Saúde de autogestão junto à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O Benefício é disponibilizado para empregados ativos, aposentados e pensionistas, além de dependentes e agregados, a eles vinculados, totalizando 246 mil beneficiários. Por não visar lucros, reduz os custos para a empresa e seus beneficiários. É um benefício atrativo que a Petrobrás oferece aos seus funcionários. Já a Petrobrás apresenta as suas justificativas. O tema AMS dentro da Petrobrás está sob a diretoria de Governança e Conformidade, dirigida por Marcelo Barbosa de Castro Zenkner (foto à direita). Em nota, a empresa esclarece que:

“Não haverá alteração do benefício com a mudança para o novo modelo. O Conselho de Administração da Petrobrás aprovou  um novo modelo de gestão para a Assistência Multidisciplinar de Saúde. A gestão da AMS passará a ser realizada por uma associação civil, sem fins lucrativos, mantendo a modalidade de autogestão. O objetivo desta mudança é fortalecer a gestão do benefício, por meio da edeeddespecialização em saúde suplementar. Com isso, será possível melhorar os serviços e tornar mais ágil o atendimento aos beneficiários, aumentando a qualidade, que hoje é motivo de um grande número de reclamações (2.595 em 2019).

A mudança também traz mais segurança empresarial e transparência na administração, além de proporcionar eficiência de custos e segregação de riscos da AMS. Estima-se que haja uma redução de custos da ordem de R$ 6,2 bilhões nos próximos dez anos. Atualmente, o custo de administração por vida na AMS é duas vezes maior do que o de outras empresas comparáveis, inclusive estatais. Com a decisão do Conselho, será estruturado um plano de implantação e transição pelos próximos meses.
Cabe destacar que não haverá alteração do benefício ou da sua abrangência com a transferência para o novo modelo de gestão.
O novo modelo trará ganhos em tecnologia, governança e compliance, em alinhamento às melhores práticas de mercado e de acordo com as exigências da ANS.”

Na entrevista da última sexta-feira (15),  Castello Branco falou sobre a identificação de  várias irregularidades na AMS, lembrando que 18 condenados da Lava Jato ainda utilizam o plano de saúde e que um deles utilizou R$ 400 mil no ano passado e que dentistas da Bahia recebiam mais de R$ 2 milhões e que existe uma inadimplência de R$ 379 milhões de segurados que não pagavam suas mensalidade em prejuízo das demais. Ficou só faltando explicar a  questão da inadimplência, já os descontos são feitos em folha.

Ao contrário do que diz a empresa, o medo dos funcionários, aposentados e pensionistas é que a mudança irá impactar significativamente os cofres da empresa e aumentar os custos para todos, dizem os sindicatos dos petroleiros.  A AEPET – Associação de Engenheiros da Petrobrás, está avaliando a possibilidade de entrar na justiça e por enquanto não vai dar nenhuma declaração.     A nova entidade teria que atender e cumprir uma série de exigências legais, como auditorias externas e constituição de patrimônio próprio. Somente para a constituição do patrimônio, a Petrobrás teria que aportar pelo menos R$ 4 bilhões. A Petrobrás disponibiliza os telefones 0800-287-2267 e 11-96474-0011 para tirar qualquer dúvida sobre esse tema:  “Se a sua demanda não for respondida pelos canais de primeira instância listados acima, ou se o prazo concedido para tratamento estiver expirado, uma nova manifestação poderá ser registrada na Ouvidoria AMS. Para permitir o devido tratamento, acesse o link, preencha o formulário e informe o número do protocolo fornecido pelo canal de primeira instância. O atendimento em segunda instância é regulamentado pela Resolução Normativa 323/2013, da Agência Nacional de Saúde”.

2
Deixe seu comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
ralfo bolsonaro bueno penteadojoão batista de assis pereira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
joão batista de assis pereira
Visitante
joão batista de assis pereira

FAZ SENTIDO A MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO QUE A PETROBRAS QUER INTRODUZIR NO PLANO DE SAÚDE DOS SEUS EMPREGADOS E APOSENTADOS? https://www.linkedin.com/pulse/faz-sentido-mudan%C3%A7a-modelo-de-gest%C3%A3o-que-petrobras-quer-pereira/ João Batista Assis Pereira consultor na petrobras Ainda não restou esclarecido os motivos que levaram a Petrobras promover uma mudança radical na forma de pagamento do plano de saúde de aposentados e pensionistas sexagenários, passando de desconto em folha para pagamento em boleto. Parece ser uma armadilha crucial, pois a alteração postulada conduzirá inexoravelmente a perdas de direitos dos aposentados ao plano de saúde AMS, bastando o aposentado deixar de pagar os boletos por mais de dois… Read more »

ralfo bolsonaro bueno penteado
Visitante
ralfo bolsonaro bueno penteado

Este pirata transforma a Petrobrás em Cia extrativista facilitando a “vida” dos carteis importadores. Agora deu de piorar o plano de assistência médica de 250.000 pessoas(titulares e dependentes) , que pagam por desconto em contracheque 50 a 60% do serviço além de mensalidades pequeno risco, grande risco e benefício farmácia,que não corrige a remuneração dos serviços há anos e também não admite novos profissionais ha anos. Contrata profissionais no mercado sem qualificação as complexidades de RH da Via e propõe uma fundação de cara a desembolsar R$500 milhões maus R$ 2 a 4 bilhões para consntitui-la. E tudo da cabeça… Read more »