NEOENERGIA INAUGURA PROJETO HÍBRIDO DE GERAÇÃO SOLAR E EÓLICA DE R$ 3,5 BILHÕES EM PLENO SERTÃO DA PARAÍBA

turbinaA Neoenergia investiu R$ 3,5 bilhões para lançar hoje (22) o primeiro complexo de geração associada de energia renovável no Brasil. Localizado no sertão da Paraíba, o Complexo Renovável Neoenergia integra de forma inédita a geração de energia eólica e solar de Neoenergia Chafariz e Neoenergia Luzia, respectivamente. Os parques estão conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN) pela subestação Neoenergia Santa Luiza II e a respectiva linha de transmissão. A energia gerada pelo Complexo Renovável Neoenergia é de 0,6GW, suficiente para abastecer 1,3 milhão de residências por ano.  Pioneiro no país, o projeto destaca-se pela sinergia entre os ativos dos parques eólico e solar com a linha de transmissão e a subestação. Essa característica otimiza o uso da rede de transmissão em função da complementariedade das fontes. Dessa forma, a Neoenergia atende à demanda de expansão do SIN; diversifica o seu portfólio em energia limpa; reforça seu compromisso com o desenvolvimento do setor de energia brasileiro de forma inovadora, eficiente e sustentável, como também se posiciona à frente para o crescimento da liberalização do mercado pela comercializaçãosolar da energia gerada no ambiente livre.

O CEO da Neoenergia, Eduardo Capelastegui, disse que o empreendimento contou com financiamento de instituições nacionais e internacionais:  “O projeto representa a visão integrada que temos dos nossos negócios. Acreditamos que o caminho promissor para um futuro mais econômico e sustentável aponta para a geração de energia por fontes renováveis integradas através de redes inteligentes. Com o Complexo Renovável Neoenergia, alcançamos 90% da capacidade instalada em energia limpa. Estamos preparados para atender os brasileiros com confiabilidade e segurança, tendo em vista a crescente demanda do transmssaomercado livre.”

O Complexo Renovável Neoenergia se estende por uma área arrendada de 8.700 hectares, em que somente 14% está ocupada, nos municípios de Santa Luiza, Areia de Baraúnas, São Jose de Sabugi e São Mamede, na Paraíba. Formado por 15 parques eólicos e 136 aerogeradores, Neoenergia Chafariz atua com capacidade instalada de 471,2 MW, já em operação plena desde início de 2022. Já as duas plantas de Neoenergia Luzia, com 228 mil painéis e potência instalada de 149,2 MWp, marcam a estreia da companhia na geração fotovoltaica centralizada. A energia gerada será destinada ao Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e ao Ambiente de Contratação Livre (ACL), alinhado com a estratégia de posicionamento na liberalização do mercado de energia brasileiro.  O empreendimento se soma aos demais negócios da Neoenergia que atua em todos os segmentos do setor elétrico brasileiro. Na distribuição, a Neoenergia atende a 16 milhões de clientes na Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte, São Paulo e Distrito Federal.

A diretora-executiva de Renováveis, Laura Porto, explicou que a geração associada de diferentes fontes energéticas é uma inovação regulatória recente no país dentrolinha transmissao do conceito de hibridação de fontes e otimização do setor. O processo do empreendimento da Neoenergia foi pioneiro no Brasil, aprovado pela Aneel no segundo semestre de 2022:  “Essa estratégia teve o objetivo de aproveitar, de forma eficiente, os recursos dos complexos eólico e solar, valorizando a complementariedade dessas fontes com inovação tecnológica e otimização do uso da rede de transmissão.  Assim, de forma combinada, o parque gerador e a linha de transmissão inauguram um novo modelo de negócio, privilegiando a integração entre os negócios com criação de valor na alocação de capital e na qualidade da operação.”

O desempenho em Renováveis contribuiu para a boa performance em 2022 da Neoenergia, que teve lucro de R$ 4,7 bilhões, 20% a mais na comparação com 2021. O lucro no segmento de negócios foi de R$ 314 milhões no acumulado do ano, o que representa uma alta relevante de 1.156% em relação a 2021. A companhia também verificou aumento da geração cacocto subsolar  e eólica em 70% em relação a 2021, com um total de 3.934 GWh. A matriz eólica apresentou dados expressivos, fechando o ano com alta de 66,15%, com 3.843 GWh produzidos. A geração da fonte solar no período foi de 91 GWh.

A conexão à rede será garantida pela subestação e linha de transmissão, com extensão de 345 quilômetros.  A sinergia permite uma gestão mais eficiente das duas fontes renováveis, a redução de custos e o melhor aproveitamento de todas as respectivas potencialidades, inclusive do sistema de transmissão. “Temos condições de garantirmos um sistema confiável com a geração por fontes renováveis. Para tanto, a expansão da transmissão é fundamental para permitir o escoamento dessa energia e assim acompanharmos o ritmo que a transição energética exige, afirmou Fúlvio Machado, diretor-executivo de Negócio de Redes da Neoenergia.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of