RÚSSIA VAI CONSTRUIR UM HUB DE GÁS NA TURQUIA PARA ATENDER ESPECIALMENTE A UNIÃO EUROPEIA | Petronotícias





RÚSSIA VAI CONSTRUIR UM HUB DE GÁS NA TURQUIA PARA ATENDER ESPECIALMENTE A UNIÃO EUROPEIA

putinO presidente russo, Vladimir Putin, disse ao presidente turco, Recep Tayyip Erdo?an, que a Turquia era a rota mais confiável para entregar gás à União Europeia e propôs construir em solo turco o que chamou de um novo centro de abastecimento. Os dois líderes se encontraram em Astana, capital do Cazaquistão. O presidente russo disse que “A Turquia provou ser a rota mais confiável para o fornecimento de gás para a Europa, graças à sua firme posição de apoio à construção do TurkStream, embora, como ouvimos, tenha sido objeto de uma tentativa de explodir, mas graças a Deus, isso não aconteceu. Não acontece e funciona com sucesso.”, Putin sugeriu pela primeira vez que a Rússia poderia criar um importante centro de gás na Turquia, redirecionando os suprimentos destinados aos oleodutos Nord Stream sob o Mar Báltico, que foram danificados por explosões no mês passado. As autoridades suecas e dinamarquesas estão investigando essas explosões como atos de sabotagem, mas ainda não disseram quem acreditam estar por trás delas. O vice-primeiro-ministro russo Alexander Novak disse na quarta-feira no evento Russian Energy Week que Moscou considerará a construção de linhas adicionais no gasoduto TurkStream. “Esta é uma das opções a serem consideradas. A ideia será trabalhada”, afirmou.

Vladimir Putin disse ainda: “No decorrer do trabalho desse hub, que poderíamos criar juntos, claro, também seria uma plataforma não só de abastecimento, mas também de determinação de preço, porque essa é uma questão muito importante – a questão da precificação. Hoje, esses preços são altíssimos; poderíamos facilmente regulá-los em um nível normal de mercado, sem qualquer conotação política”. A Gazprom começou a enviar gás via TurkStream, inclusive para a Bulgária e a Macedônia do Norte, substituindo o fornecimento pelo gasoduto Trans-Balkan, através da Ucrânia e da Romênia. A Rússia interrompeu o fornecimento de gás para a Bulgária, mas esta continua a transportar gás russo para a Sérvia, Macedônia do Norte e Hungria.

Na Europa, a França começou a enviar gás natural pela primeira vez para a Alemanha, através da operadora de rede de gás francesa GRTgaz, enquanto Berlim se esforçamacron para diversificar seu fornecimento de energia após a interrupção das entregas de gás russas. A GRTgaz disse que o gasoduto que liga os dois países na vila fronteiriça francesa de Obergailbach começou a fornecer uma capacidade diária inicial de 31 gigawatts-hora. Espera-se que a quantidade aumente para um máximo diário de 100 gigawatts-hora, representando menos de 2% do consumo total de gás da Alemanha, segundo dados do Ministério da Transição Energética da França. O chefe da agência reguladora de rede da Alemanha, Klaus Mueller, agradeceu à GRTGaz em francês em um tweet, dizendo que “as entregas de gás francesas via Saarland ajudam a segurança do abastecimento da Alemanha”.

Embora as instalações de armazenamento de gás da Alemanha estejam quase 95% cheias, as autoridades dizem que os cidadãos ainda precisarão economizar gás neste inverno. A medida ocorre no momento em que a Alemanha e outros países europeus buscam diversificar as importações de gás. O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou no mês passado que a França e a Alemanha concordaram em um acordo de solidariedade energética. A França ajudaria a Alemanha com o fornecimento de gás, enquanto a Alemanha geraria mais eletricidade para abastecer a França asdurante os horários de pico de consumo. O governo francês expressou preocupação com a potencial escassez de eletricidade durante o inverno, já que 25 dos 56 reatores nucleares da França estão agora fechados para manutenção normal e, em alguns casos, para reparar problemas de corrosão. O governo disse que a EDF, que está operando as usinas nucleares da França, se comprometeu a reiniciá-las até este inverno.

Para lembrar, a França importa quase todo o seu gás natural do exterior, principalmente da Noruega e de outros países, incluindo Holanda, Argélia e Nigéria, por meio de gasodutos e terminais de navios-tanque. A Comissão Reguladora de Energia da França anunciou no início deste mês que suas reservas de gás estão 100% cheias em antecipação ao inverno. A França depende da energia nuclear para cerca de 67% de sua eletricidade.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of