SENGI SOLAR INVESTE R$ 200 MILHÕES NA CONSTRUÇÃO DA PRIMEIRA FÁBRICA DE MÓDULOS FOTOVOLTAICOS DO BRASIL | Petronotícias





SENGI SOLAR INVESTE R$ 200 MILHÕES NA CONSTRUÇÃO DA PRIMEIRA FÁBRICA DE MÓDULOS FOTOVOLTAICOS DO BRASIL

minisroA fábrica de painéis solares da Sengi em Cascavel, no Paraná, tida como a primeira unidade fabril com capital exclusivamente nacional, tornou-se um marco para o País em termos de desenvolvimento econômico, social e tecnológico. A afirmação é do ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Paulo Alvim, que fez uma visita ao complexo industrial. O ministro participou de uma visita para conhecer as instalações técnicas e os equipamentos de alta complexidade. “Iniciativas como a dos empresários da Sengi têm de ser fortalecidas, pois geram postos de trabalho que favorecem toda atividade econômica do município. É muito gratificante ver o nível de empreendedorismo e de competência empresarial neste projeto”, disse o ministro. Com investimentos da ordem de R$ 220 milhões, a primeira fábrica nacional de módulos fotovoltaicos está na fase inicial do processo de produção. A inauguração oficial está marcada para o dia 21 de outubro deste ano.

No plano de investimento da Sengi, está previsto o lançamento de uma outra fábrica de módulos fotovoltaicos no País, na filial em Ipojuca (PE), com início das operaçõesSENGI previsto para março de 2023. Para esta segunda unidade, a empresa aportou outros R$ 220 milhões, que também devem gerar 250 novos postos de trabalho na região. Segundo, Everton Fardin, diretor da Sengi Solar, do Grupo Tangipar, as expectativas para a inauguração da primeira unidade são as melhores possíveis, visto que o mercado está aquecido e com gargalos no que diz respeito à fabricação nacional de qualidade de módulos fotovoltaicos. “A Sengi pretende preencher essa lacuna e conquistar uma grande parcela no mercado. Como nossas unidades fabris foram dimensionadas dentro do conceito de ‘indústria 4.0’, teremos um ritmo de produção muito acima do praticado na indústria nacional. E cada um dos processos terá menos de 25 segundos de TANGIPARduração, englobando montagem, transformação e inspeção”, afirmou o executivo.

Para Daniel da Rocha, CEO do Grupo Tangipar, a meta é conquistar uma boa fatia deste mercado, que requer mudanças na industrialização mundial, não só do fotovoltaico, mas de todos os setores. “Há cada vez mais a necessidade de se buscar produtos em Centros de Distribuição mais próximos. Dificuldades de abastecimento encontradas durante a pandemia e a guerra entre Rússia e Ucrânia mexeram muito com a cadeia produtiva. Diante disso, haverá uma grande mudança nos setores econômicos, aumentando a demanda por alternativas locais produtivas. Neste contexto, o Brasil tem capacidade e condições para sair-se muito bem e assumir papel importante na indústria mundial.” Os equipamentos a serem produzidos terão potência entre 440 watts e 670 watts e estão entre as maiores do mercado internacional.  Eles  serão manufaturados com tecnologias bifaciais e double glass, que permitem a captação da radiação solar nas partes superiores e inferiores dos painéis fotovoltaicos.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of