SINAVAL PEDE RETOMADA DE PROGRAMAS DE ESTÍMULO À INDÚSTRIA NAVAL, DE OLHO NA GERAÇÃO DE EMPREGOS NO PAÍS | Petronotícias





SINAVAL PEDE RETOMADA DE PROGRAMAS DE ESTÍMULO À INDÚSTRIA NAVAL, DE OLHO NA GERAÇÃO DE EMPREGOS NO PAÍS

sinavalO tema da entrevista da série especial Perspectivas 2023 desta quarta-feira (7) será a indústria naval brasileira. Um setor que viveu momentos ao longo da primeira década do século, mas que hoje está passando por momento sdifíceis. Sem grandes obras, a maior parte dos estaleiros brasileiros está vivendo apenas de pequenos serviços e reparos. Não lembra, nem de longe, a pujança de tempos passados. Mas para o Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), ainda existem meios para resgatar o setor.  O vice-presidente executivo do Sinaval, Sergio Bacci, acredita que a retomada de programas como o Promef e o Prorefam serão vitais para garantir a volta de grandes projetos nos estaleiros nacionais. Além disso, essas iniciativas ajudarão a criar novos empregos no país. Vejamos então quais são as sugestões de Bacci:

Como a sua associação atuou em 2022? Os resultados foram positivos?

O ano de 2022 foi difícil para a indústria naval brasileira. Nosso segmento não teve nenhuma demanda concreta. As poucas obras realizadas foram serviços de reparos. Infelizmente, os últimos quatro anos foram muito difíceis para a indústria naval. Por consequência, o Sinaval também teve anos difíceis. Ainda assim, procuramos atuar no sentido de defender os marcos regulatórios do nosso setor – e tivemos algumas vitórias e algumas derrotas.

E por fim, construímos um conjunto de propostas que foram encaminhadas a todos os candidatos à Presidência da República. O documento mostrou que, em 2012, os valores contratados de projetos nos estaleiros brasileiros somaram cerca de R$ 9,5 bilhões. Quase uma década depois, em 2021, essa cifra foi drasticamente reduzida para R$ 570 milhões.

O que espera para 2023, com um novo governo? Quais são as perspectivas para o ano que vem?

Estaleiros brasileiros, como o Rio Grande, estão à espera de encomendas

Estaleiros brasileiros, como o Rio Grande, estão à espera de encomendas

Nós sabemos que este é um momento difícil, porque a situação do país é muito delicada. Ainda assim, o Sinaval espera que o novo governo retome alguns programas que foram exitosos na gestão anterior do presidente Lula – o Promef [Programa de Expansão e Modernização da Frota da Transpetro] e o Prorefam [Programa de Renovação da Frota de Apoio Marítimo da Petrobrás]. Foram programas exitosos. O setor naval conta com recursos para financiar as grandes obras. Por isso, esperamos a retomada desses programas para que possamos ter obras novamente nos estaleiros e, assim, gerar empregos.

Quais as sugestões que daria aos governantes para que os negócios prosperem ainda mais?

O Sinaval está buscando reunir-se com o grupo de transição do governo para levar as demandas do setor. Nós apresentaremos três propostas que podem ser implementadas já no primeiro ano de governo. A primeira delas é a retomada do Prorefam, que irá contratar navios de apoio marítimo construídos no Brasil, com contratos de oito anos (renováveis por mais oito). Isso viabilizará a linha de financiamento, porque são contratos de longo prazo.

A segunda proposta é a retomada do Promef, com o auxílio dos órgãos de controle do governo. E a terceira sugestão é a revisão do projeto de lei conhecido como “BR do Mar”, que abriu recursos do fundo para construção de porto, dragagem e autorização a importação de navio sem o pagamento de impostos. Acreditamos que essa é uma legislação que precisa ser revista e o início de governo seria um momento ideal para tal.

2
Deixe seu comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Fabricio amorimJosue Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Josue
Visitante
Josue

Concordo com esse procedimento sera de grande crescimento econômico do estado

Fabricio amorim
Visitante
Fabricio amorim

Concordo estou desempregado a bastante tempo