WOOD MACKENZIE VÊ EXPANSÃO NO APOIO À POLÍTICA GLOBAL PARA ENERGIA NUCLEAR, REDUZINDO CUSTOS DA FONTE

1516837229925Um novo relatório da Wood Mackenzie revela que muitos países estão ajustando as políticas energéticas para apoiar novos projetos nucleares e desenvolver novas tecnologias que tornarão essa fonte de energia mais competitiva em termos de custo. De acordo com o relatório “Investir no futuro da energia nuclear avançada”, o apoio à política se expandiu em mercados com 50% da capacidade nuclear global em 2022. Os Estados Unidos receberam recentemente US$ 6 bilhões em apoio público, enquanto outras nações, como Índia, Japão e especialmente a China continuarão a expandir o suporte e aumentar a capacidade.

Crítica para caminhos de emissões líquidas zero a longo prazo, a energia nuclear também aborda vários desafios que o mundo enfrenta hoje – a necessidade de fornecimento confiável de energia de baixo carbono”, disse o diretor do Serviço de Transição de Energia da Wood Mackenzie, David Brown. “A nuclear é uma parte fundamental da abordagem do trilema da energia, limitando o papel das fontes de abastecimento marginal de custo mais elevado, como o gás natural”, acrescentou.

reatorBrown apontou que o investimento em tecnologias nucleares convencionais e emergentes precisará se expandir. Ele lembrou ainda que, atualmente, 75% da capacidade nuclear foi construída entre 1970-1990, a maior parte nos Estados Unidos e na Europa. Novos reatores com tecnologias inovadoras devem ser colocados online, com o duplo objetivo de fornecer mais energias de baixo carbono a um preço competitivo.

De acordo com o relatório da Wood Mackenzie, os investimentos em energia nuclear avançada, como pequenos reatores modulares (SMR) e novas tecnologias de reatores, podem reduzir custos, melhorar o tempo de lançamento no mercado e tornar a energia nuclear um concorrente viável das energias renováveis.

Projetamos que, até 2030, os custos de SMR possam cair rapidamente para serem competitivos com a redução da capacidade térmica”, disse Brown. “Até 2050, os custos de SMR podem cair ainda mais para serem competitivos com a capacidade térmica.

Com o crescimento da capacidade nuclear, também haverá mais demanda por urânio. A Wood Mackenzie projeta que a demanda permanecerá estável até 2030, mas quase dobrará para atender à perspectiva de ETO e triplicará para atender ao cenário AET-2, que é consistente com uma trajetória de aquecimento de 2 C até 2050. Há urânio suficiente para atender a isso demanda, mas os países que dependem de fontes da Rússia podem encontrar desafios adicionais.

usina-nuclearBrown acrescentou: “A invasão da Ucrânia pela Rússia colocará um foco adicional no ciclo do combustível. A Europa e os outros mercados que dependem do urânio russo procurarão maximizar o uso de combustível nuclear irradiado e adquirir novo suprimento de urânio ao menor custo possível. Considerações como a idade da planta, utilização, disponibilidade de urânio e a densidade de energia do urânio reciclado e novo influenciam a otimização do fornecimento”.

Além de abordar custos competitivos e inovação, a energia nuclear tem outros obstáculos a superar. Segurança operacional contínua, revisões regulatórias mais rápidas e expansão contínua da rede são várias áreas prioritárias que a indústria nuclear e os governos nacionais precisam abordar.

A indústria de energia tem um histórico de avanços tecnológicos durante períodos de preços altos de commodities e forte apoio político”, disse Brown. “Se essas áreas forem abordadas, um renascimento é possível”, finalizou.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of