AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA DIZ QUE PAÍSES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE VÃO EXERCER PAPEL ESSENCIAL NA TRANSIÇÃO ENERGÉTICA GLOBAL

Fatih-Birol-A América Latina e o Caribe devem desempenhar um papel cada vez mais influente no setor energético global, diz um novo relatório especial da Agência Internacional de Energia (AIE). O documento conclui que a riqueza de recursos da América Latina e do Caribe e a experiência no seu desenvolvimento – desde energias renováveis de alta qualidade, passando pelo petróleo e gás até aos minerais críticos – poderiam dar grandes contribuições para a segurança energética global. O relatório especial (disponível neste link) baseia-se em contribuições substanciais de funcionários governamentais, especialistas e partes interessadas de toda a América Latina e Caribe, com base em décadas de trabalho da AIE sobre questões energéticas e climáticas com a região. O investimento na região também deve crescer substancialmente, conclui o relatório. Para cumprir os compromissos, o financiamento para projetos de energia limpa precisa duplicar até 2030, para 150 bilhões de dólares, e aumentar cinco vezes até 2050.

A América Latina e as Caribe já possuem um dos setores eléctricos mais limpos do mundo, oferecendo perspectivas brilhantes para futuras indústrias de energia limpa. As energias renováveis, lideradas pela energia hidroelétrica, geram 60% da eletricidade da região, o dobro da média global, enquanto alguns dos melhores recursos eólicos e solares do mundo podem ser encontrados em países como o Brasil, México, Chile e Argentina. O uso da bioenergia é generalizado em toda a região e é um grande exportador de biocombustíveis.

renovaveis (2)Entretanto, os países da América Latina e das Caribe detêm cerca de 15% dos recursos globais de petróleo e gás natural. E a região é altamente significativa para a produção de minerais que são componentes essenciais em muitas das atuais tecnologias de energia limpa em rápido crescimento – com cerca de metade das reservas globais de lítio e mais de um terço das reservas de cobre e prata. O fornecimento de eletricidade limpa da região estabelece as bases para a mineração e processamento sustentáveis destes materiais.

A América Latina e o Caribe podem desempenhar um papel descomunal na nova economia energética global. Com recursos naturais incríveis e um compromisso de longa data com as energias renováveis, os países da região já têm uma vantagem inicial nas transições seguras e sustentáveis para energias limpas. Apoiar-se nestas transições estimularia o crescimento nas economias locais – e colocaria o sistema energético mundial numa base mais segura”, afirmou o Diretor Executivo da AIE, Fatih Birol. “O nosso relatório mostra que a elaboração de políticas de apoio e a cooperação internacional são essenciais para garantir que a região possa tirar o máximo partido do seu notável potencial energético”, acrescentou.

O relatório revela uma lacuna substancial na implementação de políticas. Dezesseis dos 33 países da região comprometeram-se a atingir emissões líquidas zero até meados do século ou antes, e a maioria apresentou Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs) mais ambiciosas vinculadas ao Acordo de Paris de 2015. No entanto, segundo as atuais configurações políticas, prevê-se que a região continue a utilizar combustíveis fósseis para satisfazer uma grande parte das suas necessidades energéticas, especialmente para o transporte rodoviário, enquanto o progresso nas transições para energias limpas deverá permanecer limitado.

linhas-transmissãoEm comparação, o relatório conclui que, se os compromissos anunciados pelos países forem cumpridos, a América Latina e o Caribe veriam as energias renováveis satisfazerem toda a nova procura de energia nesta década. Isto permitiria que as exportações de petróleo aumentassem quase 2 milhões de barris por dia até 2030, diversificando a oferta global e aumentando as receitas. Os recursos renováveis competitivos também impulsionariam a produção de hidrogênio de baixo custo e baixas emissões, o que pode ajudar a descarbonizar a indústria pesada e o transporte de mercadorias a nível nacional e internacional. A produção de biocombustíveis aumentaria e as receitas a longo prazo provenientes de minerais essenciais duplicariam para quase 200 bilhões de dólares, ultrapassando as provenientes dos combustíveis fósseis.

O relatório identifica quatro ações principais para reduzir as emissões de dióxido de carbono (CO2) relacionadas com a energia: acelerar a adoção de energias renováveis, promover a eletrificação da indústria e dos transportes, impulsionar a eficiência energética para moderar o crescimento da procura e aumentar o acesso a soluções limpas para cozimento. Nomeadamente, a aceleração das energias renováveis é responsável por 40% do fosso de emissões entre o que é projetado com base nas definições políticas atuais e um cenário em que os compromissos anunciados são alcançados.

O relatório especial é um marco no nosso trabalho com os países da América Latina e do Caribe, e esperamos continuar a colaboração regional e bilateral inspirados na sua análise, que estabelece um caminho claro para os países atingirem os seus objetivos energéticos. A AIE está pronta para apoiar os governos de toda a região à medida que avançam nas suas transições para energias limpas, construindo um sistema energético global mais seguro e mais justo no processo.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of