CONSUMO DE GÁS NA EUROPA TERÁ QUEDA RECORDE NESTE ANO, COMO REFLEXO DA REDUÇÃO DO FORNECIMENTO RUSSO | Petronotícias





CONSUMO DE GÁS NA EUROPA TERÁ QUEDA RECORDE NESTE ANO, COMO REFLEXO DA REDUÇÃO DO FORNECIMENTO RUSSO

Keisuke SadamoriA contínua redução dos fluxos de gás natural para a Europa empurrou os preços internacionais para novos valores “máximos dolorosos”. Além disso, esse cenário interrompeu os fluxos comerciais e levou a uma aguda escassez de combustível em algumas economias emergentes e em desenvolvimento, com a expectativa de que o aperto do mercado continue até 2023. Por isso, a previsão é que os mercados de gás natural permaneçam apertados no ano que vem, à medida que a Rússia reduz ainda mais o fornecimento para a Europa. O dado faz parte do novo relatório trimestral do mercado de gás da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Os mercados de gás natural em todo o mundo estão restringindo-se desde 2021, e espera-se que o consumo global de gás diminua 0,8% em 2022, como resultado de uma contração recorde de 10% na Europa e da demanda inalterada na região Ásia-Pacífico. Prevê-se que o consumo global de gás cresça apenas 0,4% no próximo ano, mas as perspectivas estão sujeitas a um alto nível de incerteza, principalmente em termos de ações futuras da Rússia e dos impactos econômicos dos altos preços da energia sustentados.

A invasão da Ucrânia pela Rússia e as reduções acentuadas no fornecimento de gás natural para a Europa estão causando danos significativos aos consumidores, empresas e economias inteiras – não apenas na Europa, mas também nas economias emergentes e em desenvolvimento”, disse Keisuke Sadamori, Diretor de Mercados de Energia da AIE e Segurança. “As perspectivas para os mercados de gás permanecem nebulosas, principalmente por causa da conduta imprudente e imprevisível da Rússia, que destruiu sua reputação como fornecedor confiável. Mas todos os sinais apontam para que os mercados permaneçam muito apertados até 2023”, acrescentou.

Dutos de gás natural à frente de bandeiras da União Europeia e da Rússia em foto de ilustraçãoA Rússia cortou em grande parte o fornecimento de gás para a Europa em retaliação às sanções impostas a ela após a invasão da Ucrânia. Isso aprofundou as tensões e incertezas do mercado antes do próximo inverno, não apenas para a Europa, mas também para todos os mercados que dependem do mesmo pool de fornecimento de gás natural liquefeito (GNL). A atual crise do gás também lança incertezas de longo prazo sobre as perspectivas para o gás natural, especialmente nos mercados em desenvolvimento, onde se esperava que seu uso aumentasse pelo menos no médio prazo, uma vez que substituiu outros combustíveis fósseis de alta emissão.

Os preços do gás natural europeu e os preços spot asiáticos do GNL atingiram recordes no terceiro trimestre de 2022. Isso reduziu a demanda de gás e incentivou a mudança para outros combustíveis, como carvão e petróleo, para geração de energia. Em algumas economias emergentes e em desenvolvimento, os picos de preços provocaram escassez e cortes de energia. O consumo de gás na Europa caiu mais de 10% nos primeiros oito meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2021, impulsionado por uma queda de 15% no setor industrial, pois as fábricas reduziram a produção.

GAS RUSSIAA demanda de gás natural na China e no Japão permaneceu praticamente inalterada no mesmo período, enquanto se contraiu na Índia e na Coréia. A demanda chinesa por gás deverá aumentar menos de 2% este ano, sua menor taxa de crescimento anual desde o início da década de 1990. Enquanto isso, os preços do gás natural nos Estados Unidos atingiram seus níveis mais altos no verão desde 2008, mas a América do Norte foi uma das poucas regiões do mundo onde a demanda aumentou, apoiada pela demanda de geração de energia.

A Europa compensou as quedas acentuadas no fornecimento de gás russo por meio de importações de GNL, bem como fornecimentos alternativos de gasodutos da Noruega e de outros lugares. A crescente demanda da Europa por GNL – um aumento de 65% nos primeiros oito meses de 2022 em relação ao ano anterior – afastou a oferta de compradores tradicionais na região da Ásia-Pacífico, onde a demanda caiu 7% no mesmo período como resultado da alta preços, clima ameno e bloqueios contínuos de Covid na China.

gasA AIE prevê que as importações de GNL da Europa aumentarão em mais de 60 bilhões de metros cúbicos (bcm) este ano, ou mais que o dobro da quantidade de adições globais de capacidade de exportação de GNL, mantendo o comércio internacional de GNL sob forte pressão no curto e médio prazo. Isso implica que as importações de GNL da Ásia permanecerão menores do que no ano passado para o resto de 2022. No entanto, as importações de GNL da China podem aumentar no próximo ano sob uma série de novos contratos celebrados desde o início de 2021, enquanto um inverno mais frio que a média também resultar em demanda adicional do nordeste da Ásia, aumentando ainda mais o aperto do mercado.

Além de diversificar a oferta, a União Europeia e seus estados membros tomaram outras medidas para aumentar a segurança do gás, como estabelecer obrigações mínimas de armazenamento e implementar medidas de economia de energia para o próximo inverno. As instalações de armazenamento da UE estavam quase 90% cheias no final de setembro, embora a ausência de suprimento russo apresente desafios para reabastecê-las no próximo ano. Tanto o Japão quanto a Coreia instituíram políticas para reduzir a dependência do GNL importado para geração de energia e desenvolveram planos de contingência para possíveis interrupções no fornecimento de GNL.

Deixe seu comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of